Chineses proibidos de ser acionistas da TAP

Autoridade Nacional da Aviação Civil vai limitar o grupo chinês HNA ao papel de financiador, afastando-o da estrutura acionista

O regulador da aviação não permite que o grupo chinês HNA seja acionista da TAP, estando limitado ao papel de financiador. De acordo com o Expresso, a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), que está a avaliar os pressupostos da entrada de 120 milhões de euros na TAP - injetados pelo consórcio Atlantic Gateway, de David Neeleman e Humberto Pedrosa - só possibilitará que os chineses da Hainan Airlines, o gupo HNA, sejam financiadores da TAP em operações de entrada de capital.

O grupo chinês HNA comprou recentemente 23,7% da transportadora brasileira Azul por 427,8 milhões de euros, avaliando a empresa em mais de 1,76 mil milhões de euros. O negócio fez da Azul uma das companhias aéreas mais caras do Brasil e ofereceu a David Neeleman, o dono da companhia, maior liquidez para injetar capital na TAP. O empresário, que tem nacionalidade brasileira, é sócio de Humberto Pedrosa na Atlantic Gateway, que comprara 61% do capital da TAP, e que agora viu a sua participação ser reduzida para os 45% pelo Governo de António Costa.

Todas as alterações acionistas na TAP terão de ser previamente aprovadas pela ANAC, que já obrigou a mudanças nos acordos entre Neeleman e Pedrosa para adequar a situação acionista da TAP à legislação europeia.

Segundo o Expresso, a ANAC encarará o Grupo HNA como um mero financiador, "sem possibilidade de converter um eventual crédito em capital da TAP", ou seja, estando impedido de ser acionista da companhia portuguesa. Segundo o memorando assinado com o Governo a 6 de fevereiro deste ano, a Atlantic Gateway fica com 45% do capital da TAP, podendo chegar aos 50% com a aquisição do capital à disposição dos trabalhadores. O Estado não poderá comprar a fatia dos trabalhadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.