Marca japonesa Muji multada por identificar Taiwan como um país

Empresa terá violado a Lei da Publicidade chinesa, que proíbe ações prejudiciais à dignidade ou interesses nacionais e que divulgam segredos de Estado

A marca japonesa Muji foi multada na China por vender produtos cuja etiqueta identifica Taiwan como o país de origem, ilustrando os crescentes esforços de Pequim para impor as suas noções geopolíticas a empresas estrangeiras.

O jornal chinês Shine informou esta quinta-feira que a empresa foi multada em 200.000 yuan (26.700 euros) por violar a Lei da Publicidade, que proíbe qualquer ação "prejudicial à dignidade ou interesses nacionais e divulgue segredos de Estado".

Segundo as autoridades, a Muji infringiu aquela lei ao classificar Taiwan como um país.

Em agosto passado, a Muji vendeu na China 119 estendais com a etiqueta "país de origem: Taiwan".

Também nos últimos meses o Governo chinês exigiu a várias companhias aéreas que passassem a referir-se a Taiwan nos seus portais eletrónicos e mapas como "Taiwan, China" ou "Taiwan, República Popular da China".

Na semana passada, o retalhista de vestuário norte-americano Gap pediu desculpa à China por ter vendido t-shirts com um mapa "errado" do país, que exclui Taiwan.

Em janeiro a marca têxtil espanhola Zara, a companhia aérea norte-americana Delta Airlines e a fabricante de equipamento médico Medtronic também pediram desculpa por se referirem a Taiwan como um país nos seus sites.

Críticos afirmam que a crescente pressão exercida pela China, usando o seu poderio económico para forjar novas normas internacionais - neste caso o estatuto de Taiwan - gera preocupações sem precedentes.

"O que está aqui em jogo é que nós estamos a permitir que um regime revisionista, com um historial terrível no que toca à liberdade de expressão, dite o que nós dizemos e escrevemos nos nossos países", afirmou J. Michael Cole, pesquisador do China Policy Institute e do programa de estudos de Taiwan na Universidade de Nottingham, citado pela Associated Press.

"Se Pequim não se deparar com limites, vai continuar a pedir mais", acrescentou.

Taiwan, a ilha onde se refugiou o antigo Governo chinês depois de o PCC tomar o poder no continente, em 1949, assume-se como República da China, mas Pequim considera-a uma província chinesa e não uma entidade política soberana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.