China vai deixar de importar lixo em 2018

A China vai deixar de importar lixo do estrangeiro a partir do final deste ano, anunciou esta quinta-feira o ministério chinês de Proteção Ambiental, visando combater os danos para o ambiente e a saúde pública.

O país asiático começou a importar resíduos sólidos para reciclar nos anos 80, criando um fornecimento extra de metais e materiais que faltavam no mercado doméstico.

O Governo diz agora que os problemas criados pela importação de lixo ultrapassam em muito os benefícios.

"O problema do lixo estrangeiro é abominado por toda a gente na China", disse Guo Jian, um funcionário encarregue da cooperação internacional no ministério de Proteção Ambiental.

A China já informou a Organização Mundial do Comércio que vai banir a importação de lixo, incluindo plásticos, papel e tecido.

Em 2015, a China importou mais de 46 milhões de toneladas de lixo, segundo dados oficiais.

A imprensa chinesa nota, no entanto, que a quantidade é "provavelmente muito maior", visto que muito do lixo entra no país de forma ilegal.

"Alguns comerciantes sem escrúpulos, na China e lá fora, importaram ilegalmente e transportaram lixo estrangeiro", que "causou problemas ambientais sérios e deve ser tratado com rigor", afirmou Guo Jian.

Décadas de acelerado crescimento económico causaram sérios problemas ambientais na China, com as principais cidades do país a serem frequentemente cobertas por um manto de poluição e parte dos solos contaminados.

As autoridades chinesas têm tido dificuldades em processar o lixo gerado internamente, em resultado da rápida urbanização do país e aumento dos índices de consumo.

Em dezembro passado, um deslizamento de terras num parque industrial em Shenzhen, o centro da indústria tecnológica da China, situado na província de Guangdong, que confina com Macau e Hong Kong, resultou na morte de 70 pessoas e enterrou 33 edifícios.

O acidente deveu-se à excessiva acumulação ilegal de resíduos de construção em montes com 100 metros de altura.

O Governo de Shenzhen admitiu, na altura, as dificuldades em processar os 30 milhões de metros cúbicos de entulho que a cidade gera anualmente.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.