CGD não quer reduzir mais de 2000 trabalhadores

Paulo Macedo garante que os despedimentos vão ser feitos através de rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas, apesar de não conseguir prever as evoluções tecnológicas

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) disse hoje que o banco não tem intenção de reduzir mais trabalhadores do que os 2000 acordados com Bruxelas, mas admitiu que a evolução da tecnologia vir a ter impacto.

"Não queremos ir além nos balcões, não queremos ir além nos trabalhadores [nas reduções impostas pelo plano de reestruturação], apesar de não termos uma visão do que acontecerá em termos tecnológicos daqui até 2021, quando termina o plano. Do que vemos hoje, não vamos além", disse Paulo Macedo, no Parlamento, na comissão de orçamento e finanças.

No âmbito do aumento de capital da CGD, feita em 2017, foi acordado com a Comissão Europeia um programa de reestruturação do banco público que passa, entre outras medidas, pela saída de cerca de 2.000 pessoas até 2020.

O banco está a fazer esta redução através de rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas, num ritmo de 500 a 600 por ano.

Ainda no Parlamento, Macedo recusou que esteja a haver pressões no banco público para a saída de trabalhadores, afirmando que o ano passado houve mais trabalhadores a quererem sair do que os que saíram, uma vez que 827 manifestaram a intenção de sair e a redução foi de 547.

Já em termos de balcões a CGD acordou com Bruxelas fechar 180 até final de 2020, tendo fechado 67 em 2017, pelo que falta fechar mais 113 agências.

Macedo disse que a CGD irá fechar agências em grandes centros urbanos mas também no interior do país, até porque tem de manter presença em Lisboa e Porto para não perder quota de mercado.

"A presença no interior é importante, mas a questão é como damos resposta e ao mesmo tempo conseguimos 9% de rentabilidade e aumentamos trabalhadores", afirmou.

O ano passado, o fecho de agências da CGD no interior de Portugal motivou vários protestos, sendo o mais conhecido o caso do concelho de Almeida.

Quanto às outras metas definidas pelo plano de reestruturação, disse Macedo que o banco está abaixo do definido quando a comissões bancária e a margem financeira, mas considerou que tal "é recuperável este ano e nos próximos".

Já sobre a rentabilidade, considerou difícil o banco atingir os 9% de rentabilidade previstos no plano.

Paulo Macedo afirmou ainda que o banco quer conceder dar mais crédito, nomeadamente a empresas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.