CEO da TAP: "Prémios devem ser extensivos a todos os trabalhadores"

Antonoaldo Neves defendeu no Parlamento que não é a primeira vez que a companhia aérea paga prémios em ano que teve prejuízos.

A TAP foi notícia há algumas semanas por ter pago prémios a alguns trabalhadores. Antonoaldo Neves, CEO da TAP, lembrou esta tarde que a TAP já pagou prémios em anos em que deu prejuízos - em 2018, os prejuízos foram de 118 milhões de euros - , como foi o que aconteceu em 2008 e 2009. Na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, o líder da companhia aérea assinalou ainda que a visão do conselho de administração é que os "prémios devem ser extensivos a todos os trabalhadores". Durante a audição, lembrou ainda que, mesmo em anos de lucros, a empresa pode não distribuir prémios, uma vez que esta prática está dependente do cumprimento de objetivos.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.