Centeno reforça depósitos em 26% na reta final do ano

Almofada vale agora 9,8 mil milhões de euros e dá, em teoria, para financiar mais de metade das necessidades deste ano sem ter de ir ao mercado.

A almofada financeira da República, os depósitos do Estado, teve um reforço de 26% na reta final de 2017, subindo de 7,8 mil milhões para 9,8 mil milhões de euros (mais 2 mil milhões), informou ontem o IGCP, a agência que gere a dívida pública. Em 2018, esta almofada de segurança mantém uma dimensão considerável: 8 mil milhões de euros é a nova previsão das Finanças, o ministério de Mário Centeno.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.