Centeno defende alívio da dívida grega

Ministro das Finanças português disse ainda que o Pacto de Estabilidade e Crescimento Europeu deve ser reformulado e substituído

O ministro das Finanças português, Mário Centeno, defendeu que a União Europeia deve discutir o alívio da dívida grega, devendo mesmo avançar sem o Fundo Monetário Internacional, reportou a imprensa alemã.

"Temos de começar esta discussão", disse Centeno numa entrevista ao jornal Bild, o diário alemão com maior circulação no país.

Mário Centeno recordou ainda que "a união monetária europeia tem agora instituições muito fortes". "Podemos lidar com a maioria dos problemas por conta própria", sublinhou.

O ministro das Finanças disse ainda que o Pacto de Estabilidade e Crescimento Europeu deve ser reformulado e substituído, acrescentando que as dívidas dos países têm "muito espaço para melhorias".

A Grécia e os credores internacionais não conseguiram um acordo relativamente à reforma do mercado de trabalho grego, depois de negociações que duraram até à manhã de hoje, noticiou a agência alemã DPA.

O objetivo é conseguir um acordo até ao início de dezembro, altura em que os ministros das Finanças da zona Euro planeiam discutir o alívio da dívida grega.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schauble, já descartou um alívio da dívida da Grécia antes de 2018, referindo que pode enfraquecer esforços para promulgar novas reformas, segundo a imprensa alemã.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.