Centeno defende alívio da dívida grega

Ministro das Finanças português disse ainda que o Pacto de Estabilidade e Crescimento Europeu deve ser reformulado e substituído

O ministro das Finanças português, Mário Centeno, defendeu que a União Europeia deve discutir o alívio da dívida grega, devendo mesmo avançar sem o Fundo Monetário Internacional, reportou a imprensa alemã.

"Temos de começar esta discussão", disse Centeno numa entrevista ao jornal Bild, o diário alemão com maior circulação no país.

Mário Centeno recordou ainda que "a união monetária europeia tem agora instituições muito fortes". "Podemos lidar com a maioria dos problemas por conta própria", sublinhou.

O ministro das Finanças disse ainda que o Pacto de Estabilidade e Crescimento Europeu deve ser reformulado e substituído, acrescentando que as dívidas dos países têm "muito espaço para melhorias".

A Grécia e os credores internacionais não conseguiram um acordo relativamente à reforma do mercado de trabalho grego, depois de negociações que duraram até à manhã de hoje, noticiou a agência alemã DPA.

O objetivo é conseguir um acordo até ao início de dezembro, altura em que os ministros das Finanças da zona Euro planeiam discutir o alívio da dívida grega.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schauble, já descartou um alívio da dívida da Grécia antes de 2018, referindo que pode enfraquecer esforços para promulgar novas reformas, segundo a imprensa alemã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...