Centeno diz que desaceleração da economia é culpa do Brexit

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, atribuiu a desaceleração do crescimento da economia, confirmada pelas previsões da Comissão Europeia na semana passada, a "riscos políticos acumulados na Europa" devido ao 'Brexit' e às tensões comerciais.

Falando hoje em Bruxelas, à entrada para a reunião do Eurogrupo, o responsável reagiu às previsões económicas de inverno publicadas na última quinta-feira pela Comissão Europeia, que procedeu a uma revisão em baixa do ritmo do crescimento na zona euro (estima agora que se fique pelos 1,3% em 2019) e também do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português para este ano, antecipando uma expansão de 1,7%, abaixo da estimativa de 2,2% do Governo.

"Todos sabemos que representam uma desaceleração do crescimento [económico] na Europa e que essa desaceleração está muito associada aos riscos políticos acumulados na Europa, em particular os que estão relacionados com o 'Brexit' e às tensões comerciais", declarou Mário Centeno.

Ressalvando que "hoje as estruturas na área do euro são muito mais fortes do que eram antes da crise", o também ministro das Finanças português vincou que "a Europa sabe que pode e deve continuar a fazer melhor".

"Fizemos inúmeras reformas e sabemos que podemos melhorar bastante e devemos fazê-lo", salientou.

O Eurogrupo reúne-se hoje em Bruxelas tendo em agenda as previsões económicas de inverno da Comissão Europeia, mas também discussões sobre a vigilância pós-programa a Portugal e sobre um instrumento orçamental para a convergência na zona euro.

No mesmo dia, em Estrasburgo, no Parlamento Europeu, o negociador especial do Brexit, Michel Barnier, e o ministro do Brexit, Stephen Barclay, reúnem-se para discutir o Brexit. "Alguém tem que ceder", declarou Barnier, numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro luxemburguês, Xavier Bettel.

Entretanto, também a primeira-ministra britânica, Theresa May, fez saber que vai fazer, já esta terça-feira, na câmara dos Comuns, a sua tão aguardada declaração sobre o Brexit. Esta intervenção estava inicialmente prevista para quarta-feira, mas foi antecipada, até para dar tempo para os deputados prepararem eventuais moções que queiram apresentar na quinta-feira, também na câmara dos Comuns.

Numa reação às previsões publicada no Twitter, na quinta-feira, Mário Centeno pediu para não se "retratar" a desaceleração económica como "crise", e solicitou medidas dos governos europeus contra "os riscos".

No que toca à vigilância pós-programa a Portugal, no final desta missão, os peritos da Comissão Europeia alertaram para o risco "significativo" de desvio das metas orçamentais e recomendaram prudência na política orçamental, devido à particular vulnerabilidade a choques justificada pelo "elevado rácio da dívida pública".

A vigilância pós-programa aos países que tiveram ajuda externa tem início automaticamente após o fim do programa de assistência (2014, no caso de Portugal) e prossegue até que, pelo menos, 75% dos empréstimos tenham sido pagos aos credores.

Falando sobre este ponto da agenda do Eurogrupo, Mário Centeno sublinhou que Portugal assim como Irlanda, país sobre o qual também haverá debate -- são "países que saíram da crise com melhores condições económicas, sociais e orçamentais", espelhando, assim, a "estabilidade e crescimento" da Europa.

Hoje, o fórum de ministros das Finanças da zona euro irá ainda pronunciar-se sobre a candidatura única do governador do banco central irlandês, Philip Lane, à sucessão do alemão Peter Praet na Comissão Executiva do Banco Central Europeu (BCE).

Por fim, e como tem vindo a suceder em todas as últimas reuniões do Eurogrupo, os trabalhos terminam com um encontro alargado aos restantes Estados-membros (o chamado "formato inclusivo"), para uma nova discussão sobre o aprofundamento da União Económica e Monetária, desta feita centrada num instrumento orçamental para a convergência e competitividade.

Mário Centeno recebeu, em dezembro passado, um mandato dos chefes de Estado e de Governo da zona euro para trabalhar numa proposta de uma capacidade orçamental própria para a convergência na zona euro, que é suposto ser apresentada em junho de 2019, e que o primeiro-ministro, António Costa, sublinha tratar-se de "uma prioridade claramente afirmada por Portugal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.