Catástrofes e desastres custaram 78 mil milhões de euros em 2015

O acidente com custos mais elevados foram as explosões de 12 de agosto no porto de Tianjin, na China

O custo económico das catástrofes naturais e desastres baixou em 2015 para cerca de 85 mil milhões de dólares (78 mil milhões de euros), segundo uma primeira estimativa do grupo segurador suíço Swiss Re divulgada hoje.

O número é inferior à média dos últimos dez anos, que é de 192 mil milhões de dólares (177 mil milhões de euros), e inferior ao de 2014, que foi de 113 mil milhões de dólares (104 mil milhões de euros), informou o segundo maior grupo segurador mundial num comunicado.

A maioria dos custos de 2015 deveu-se a catástrofes naturais, que causaram perdas de 74 mil milhões de dólares (68 mil milhões de euros), e os restantes 11 mil milhões de dólares (10 mil milhões de euros) a desastres causados pelo homem, como os acidentes industriais, segundo a empresa.

Do total, cerca de 32 mil milhões de dólares (29,5 mil milhões de euros) foram cobertos por seguradoras.

O acidente com custos mais elevados foram as explosões de 12 de agosto no porto de Tianjin, no nordeste da China, que fizeram 161 mortos e mais de 2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros) de prejuízos.

Entre as causas naturais, as tempestades de fevereiro nos Estados Unidos foram as mais caras, com perdas de 2,7 mil milhões de dólares (2,5 mil milhões de euros), cobertas pelas seguradoras em 2,1 mil milhões de dólares (1,9 mil milhões de euros).

O terremoto no Nepal, que matou 9.000 pessoas e destruiu 500.000 habitações, teve um custo económico de 6 mil milhões de dólares (5,5 mil milhões de euros), mas as seguradoras cobriram apenas 160 milhões de dólares (147 milhões de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.