Catástrofes e desastres custaram 78 mil milhões de euros em 2015

O acidente com custos mais elevados foram as explosões de 12 de agosto no porto de Tianjin, na China

O custo económico das catástrofes naturais e desastres baixou em 2015 para cerca de 85 mil milhões de dólares (78 mil milhões de euros), segundo uma primeira estimativa do grupo segurador suíço Swiss Re divulgada hoje.

O número é inferior à média dos últimos dez anos, que é de 192 mil milhões de dólares (177 mil milhões de euros), e inferior ao de 2014, que foi de 113 mil milhões de dólares (104 mil milhões de euros), informou o segundo maior grupo segurador mundial num comunicado.

A maioria dos custos de 2015 deveu-se a catástrofes naturais, que causaram perdas de 74 mil milhões de dólares (68 mil milhões de euros), e os restantes 11 mil milhões de dólares (10 mil milhões de euros) a desastres causados pelo homem, como os acidentes industriais, segundo a empresa.

Do total, cerca de 32 mil milhões de dólares (29,5 mil milhões de euros) foram cobertos por seguradoras.

O acidente com custos mais elevados foram as explosões de 12 de agosto no porto de Tianjin, no nordeste da China, que fizeram 161 mortos e mais de 2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros) de prejuízos.

Entre as causas naturais, as tempestades de fevereiro nos Estados Unidos foram as mais caras, com perdas de 2,7 mil milhões de dólares (2,5 mil milhões de euros), cobertas pelas seguradoras em 2,1 mil milhões de dólares (1,9 mil milhões de euros).

O terremoto no Nepal, que matou 9.000 pessoas e destruiu 500.000 habitações, teve um custo económico de 6 mil milhões de dólares (5,5 mil milhões de euros), mas as seguradoras cobriram apenas 160 milhões de dólares (147 milhões de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.