Casal com um filho tem taxas mais altas a partir de 1211 euros

Valor dos escalões subiu e beneficia quem fica nos intervalos. Cerca de 950 mil famílias vão descontar menos imposto

Os salários e pensões vão ser sujeitos já a partir deste mês a novas tabela de retenção na fonte, que juntam mudanças nas taxas de desconto mensal com alterações no patamar dos escalões de rendimento. Conjugadas, estas duas alterações levam a que um casal com um filho que ganhe 1210 euros por mês fique a pagar menos, já se o ordenado for de 1213 euros haverá um ligeiro agravamento.

Estas tabelas ontem publicadas visam adequar a retenção mensal na fonte do IRS à nova dedução fixa por dependente criada com o Orçamento do Estado para 2016 e que veio substituir o quociente familiar.

De uma forma geral, e tal como apontavam as simulações realizadas quando foi conhecida a intenção de criar aquela dedução fixa, os rendimentos mais baixos vão passar a ter um alívio na retenção mensal - estimando-se que 950 mil famílias saiam beneficiadas. Entre quem ganha mais sucede o inverso, ainda que haja exceções por causa da referida subida dos limites de rendimento.

Por comparação com o modelo desenhado em 2015 e que se manteve em vigor até agora, as taxas de retenção aumentam em cerca de 0,1 pontos percentuais, refletindo--se este agravamento nos solteiros e casados (dois titulares) com um dependente e que ganhem até 1211 euros ou até 1307 euros se tiverem dois dependentes. Quando se trate de um casal em que apenas um dos elementos trabalha e haja um ou dois filhos, a subida de retenção mensal opera a partir dos 1381 euros ou dos 1603 euros, respetivamente. Mas como os patamares de rendimento aos quais reaplica cada uma destas taxas foram ligeiramente aumentados, haverá casos em que o valor do imposto a pagar baixa. É isso que explica, por exemplo que num casal (dois titulares) com dois filhos e com um salário de 2506 euros veja o desconto mensal baixar de 649 para 631 euros (ver infografia). Já um casal com dois filhos e em que apenas uma pessoa trabalhe e ganhe 1210 euros (valor que fica entre o limite de 1205 euros atualmente considerados e os 1211 euros que a partir de agora vão ser tidos em conta) vê a retenção recuar 31 euros - ou o ordenado líquido subir nesta proporção.

Para quem não tem filhos, a ligeira subida do limite dos escalões de rendimento acaba por ser favorável praticamente para todos. Exemplificando: quem ganha 2060 euros por mês descontava 24,5%, mas a partir de agora vê a retenção baixar para 23,5%. Esta mesma lógica acompanha os reformados.
Em 2015, com a reforma do IRS foi criado um regime em que os filhos passaram a ser tidos em conta no apuramento do rendimento sujeito a imposto. Ainda que este modelo tivesse um limite de poupança associado, o PS sempre o criticou por entender que os dependentes das famílias mais ricas "valiam" mais do que os das restantes. Por este motivo foi decidido eliminar o quociente familiar e substituí-lo por uma dedução fixa de 600 euros pró-filho. O novo regime irá beneficiar cerca de 950 mil famílias, segundo as estimativas do Ministério das Finanças.

As novas tabelas devem ser refletidas já em maio, mas quem já fechou contas deve poder usá-las em junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.