Casais desempregados com subsídio majorado em 10%

A majoração é conferida a casais com filhos e também se estende a famílias monoparentais. Apoio a desempregados de longa duração mantém-se em 2019.

A medida era exigida há muito pelos partidos de esquerda e deverá constar do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019). O Dinheiro Vivo sabe que vai ser proposta a majoração de 10% no montante do subsídio de desemprego para famílias em que os dois membros do casal estejam desempregados e tenham filhos ou equiparados a cargo. A majoração é dada a cada um dos beneficiários.

A medida que aumenta o valor do subsídio de desemprego estende-se também às famílias monoparentais. Quem quiser beneficiar da majoração tem de o requerer e fazer prova das condições de atribuição.

No caso em que um dos elementos do casal deixe de receber o subsídio de desemprego, a majoração mantém-se em relação ao outro beneficiário.

Apoio extra a desempregados de longa duração mantém-se

A medida de apoio foi introduzida, pela primeira vez, em 2016 e manteve-se até este ano, sempre através do Orçamento do Estado (OE). O PCP queria que o apoio se tornasse permanente sem depender de aprovação a cada ano do OE. Para já, o DN/Dinheiro Vivo sabe que a medida vai estender-se por mais um ano outra vez por via do orçamento.

Para aceder ao apoio extraordinário, os desempregados devem ter esgotado o período do subsídio social de desemprego inicial ou subsequente, tem de ter passado meio ano após a data do último subsídio social de desemprego e os potenciais beneficiários têm de estar inscritos no centro de emprego. Além disso, o valor do património mobiliário (contas bancárias, ações, fundos de investimento, etc.) do requerente e do agregado familiar não pode ultrapassar os 102 936 euros. Os rendimentos mensais por pessoa do agregado não podem ser superiores a 343,12 euros.

Paulo Ribeiro Pinto é jornalista do Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?