Carro do Ano 2019 - Conheça os candidatos a Ecológico do Ano

Há três candidatos a um dos segmentos com maior capacidade de crescimento no mercado; dois "consagrados", o Nissan e o Mitsubishi e uma surpresa coreana, o Hyundai.

Hyundai Kauai EV 4x2 Electric - Preço: 43.350€

O Hyundai Kauai 100% elétrico chegou a Portugal no início do segundo semestre de 2018. A marca coreana foi a primeira na Europa a desenvolver um SUV compacto totalmente elétrico.

Com um design progressista e várias possibilidades de escolha personalizáveis para ir ao encontro do estilo do consumidor, o Kauai Electric possui diferentes funcionalidades de conectividade e navegação, disponibilizando o sistema Hyundai Smart Sense que integra diferentes equipamentos de segurança ativa para assistência à condução.

No interior, a consola central foi pensada para um controlo intuitivo do seletor de mudanças "shift-by-wire". Os condutores podem também beneficiar do ecrã "supervision cluster", controlar de forma mais intuitiva o motor elétrico, que mostra informação fundamental sobre a performance de condução do automóvel. Adicionalmente, o head-up display projeta informação relevante sobre a condução diretamente para a linha de visão do condutor.

A aposta para o mercado nacional centra-se na versão que dispõe de uma bateria de 64 kWh (204 CV), que assegura uma autonomia até 470 km. Com 395 Nm de binário e uma aceleração de 7,6 segundos dos 0 aos 100 km/h é um pequeno SUV muito, mas mesmo muito divertido de conduzir.

O sistema de travagem regenerativo é ajustável através de patilhas atrás do volante, que permitem selecionar o nível de "travagem regenerativa". O sistema recupera energia adicional sempre que possível e ajuda a controlar o Kauai em ritmos mais animados.

Mitsubishi Outlander PHEV - Preço: 47.000€

O Mitsubishi Outlander foi apresentado em 2012, no Salão Automóvel de Paris e chegou ao mercado português no final do ano seguinte. A Aliança Renault/Nissan/Mitsubishi promete dar que falar na área dos automóveis híbridos e elétricos. O início desta parceria surgiu a propósito da tecnologia 4WD para as pick-up. Até ao ano 2020, a Mitsubishi prepara-se para introduzir novos carros elétricos aproveitando a experiência da Renault/Nissan; como "moeda de troca" a Aliança poderá aproveitar o legado da Mitsubishi Motors na área dos sistemas híbridos (PHEV).

Três anos após o último facelift, a marca japonesa realizou uma atualização mais profunda no Outlander. No design são diversas as áreas em que os engenheiros e técnicos trabalharam. As evoluções estéticas são mais evidentes na grelha dianteira, nos faróis LED e para-choques, mas é no chassis, na suspensão e nos motores, que encontramos as diferenças mais evidentes. O novo motor 2.4 litros a gasolina promete bons consumos, mas convém lembrar que o Outlander pesa 1.800 kg e está "calçado" com pneus 225/55R e jantes de 18 polegadas.

Como funciona o sistema PHEV

Não fique com a ideia de que os motores podem trabalhar todos ao mesmo tempo, em conjunto, para obter a velocidade máxima. O sistema híbrido foi evoluído, apesar de se ter mantido o conceito de dois motores elétricos (um por eixo) e um de combustão interna. O motor elétrico dianteiro debita 82 CV, o motor traseiro é agora mais potente com 95 CV. O motor 2.4 com 135 CV e 211 Nm de binário está associado a um gerador com mais 10% de capacidade. Ou seja, o novo motor a gasolina com o ciclo Atkinson - a pensar na eficiência -, o motor elétrico dianteiro, mais o motor elétrico traseiro e o gerador nunca trabalham em conjunto para acelerar até à velocidade máxima. Tal combinação nunca ocorre na condução real. O sistema PHEV equilibra sempre a combinação mais adequada de modos de transmissão e propulsão. A autonomia anunciada pela marca para a autonomia elétrica é de 45 quilómetros.

As patilhas que regulam o nível de travagem regenerativa funcionam de 0 a 6 gerindo o grau de reaproveitamento energético. O condutor pode sempre optar pelo "Modo SAVE" onde o sistema gere automaticamente a utilização dos motores, poupando carga elétrica ao mesmo que tempo que contribui para poupar combustível. O SUV da marca japonesa conta com três modos de condução, todos ativados automaticamente pelo sistema PHEV e com tração elétrica permanente 4WD ou modo EV puro até 135 km / h. A bateria demora cerca de 4 horas a ficar totalmente carregada.

Nissan Leaf 40KWH Tekna - Preço: 39.850 euros

Desde que o Nissan LEAF foi colocado à venda em 2010, mais de 300.000 clientes escolheram a primeira geração do veículo elétrico de emissões zero mais vendido do mundo. A estreia europeia da nova geração aconteceu em outubro de 2017.

A marca garante que a nova bateria de 40kW e novo motor com mais binário asseguram mais autonomia e maior prazer de condução. Uma das novidades é integração inteligente, que liga o automóvel a uma sociedade mais vasta através da conectividade e à rede elétrica através da tecnologia de carregamento bidirecional.

Com um comprimento total de 4,49m, 1,79m de largura e 1,54m de altura, para uma distância entre eixos de 2,70m, o Leaf possui um coeficiente de atrito aerodinâmico (Cx) de apenas 0,28.

Interior centrado no condutor

O interior foi redesenhado e mais focado no condutor. O design inclui uma costura em azul nos bancos, no painel de instrumentos e no volante. A bagageira de 435 litros e bancos traseiros rebatíveis 60/40 oferecem opções de armazenamento versáteis e que maximizam a utilização do espaço, tornando o novo Nissan LEAF num perfeito automóvel familiar. A capacidade máxima da bagageira com os bancos rebatidos é de 1.176 litros.

O novo grupo motopropulsor elétrico proporciona uma potência de 110kW (150cv) e 320Nm de binário, melhorando a aceleração para 7,9s dos 0 aos 100km/h. A Nissan avança com uma autonomia de condução de 378km NEDC.

Para carregar até a 80% (carregamento rápido a 50kW) demora 40 a 60 minutos, enquanto com recurso a uma wallbox de 7kW demora até 7,5 horas. As características de série da versão base incluem seis airbags (dianteiros, laterais e de cortina), fixações ISOFIX, Sistema Antibloqueio dos Travões (ABS), Distribuição Eletrónica da Força de Travagem (EBD), Assistência de Travagem (BA), e Arranque Assistido em Subidas (HSA).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.