Carlos Tavares está interino na CMVM há um ano

Presidente interino diz que cabe ao Governo decidir quem o vai substituir

O presidente da CMVM, Carlos Tavares, disse esta quinta-feira que ainda não tem indicações do Governo quanto à sua substituição neste regulador do mercado de capitais e reforçou que essa decisão cabe ao Executivo.

No dia em que completa um ano sobre o fim do seu mandato como presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), onde se mantém como presidente interino, Carlos Tavares foi questionado à margem do XII Congresso dos Revisores Oficiais de Contas sobre se já recebeu alguma indicação do Governo sobre quem o irá substituir. E respondeu: "Não tenho de momento, mas como digo caberá ao Governo tomar essa decisão".

Carlos Tavares tinha acabado de dizer: "Sempre disse que em qualquer cargo, independente dos mandatos, estou sempre preparado para sair no dia seguinte e trabalho como se estivesse para muitos anos. Este Conselho tem desenvolvido a sua atividade com toda a normalidade, não tem qualquer limitação de poderes, caberá ao Governo decidir quando fazer a substituição".

Já durante a sua intervenção no congresso, Carlos Tavares fez um balanço sobre o primeiro ano de aplicação do novo modelo de supervisão de auditoria e defendeu que "as autoridades portuguesas tomaram a decisão certa em atribuir esta tarefa à CMVM".

"Faço esta citação sem qualquer conflito de interesse, pois como sabem não será a mim que vai competir o desempenho desta tarefa", afirmou.

Carlos Tavares esteve dois mandatos ou dez anos à frente do regulador do mercado de capitais e terminou no dia 15 de setembro de 2015 o seu mandato, tendo sido na altura afirmado que seria substituído por uma mulher após a eleição do novo governo eleito nas eleições legislativas de outubro.

Esta nomeação para a presidência decorre da alteração da lei-quadro das entidades reguladoras, que estabelece que o presidente do conselho de administração de todas as entidades reguladoras, onde se inclui a CMVM, "deve garantir a alternância de género", bem como os restantes três vogais devem "assegurar a representação mínima de 33% de cada género".

Sobre o tema do congresso, Carlos Tavares sublinhou a competência que agora a CMVM passou a ter também nos órgãos de fiscalização das sociedades e considerou a colaboração da Ordem dos ROC (Revisores Oficiais de Contas) como "essencial".

"Mais do que estar agora a discutir os aperfeiçoamentos da lei, que são possíveis e desejáveis, é que a CMVM e a Ordem dos ROC trabalhem juntas no sentido de aplicar bem a lei, de forma sensata e construtiva. Têm de estar do mesmo lado, promover a qualidade da auditoria", disse, referindo que "a tarefa de auditoria é imensa e que a CMVM não a pode fazer sozinha".

Já o bastonário da Ordem dos Revisores de Contas, José Azevedo Rodrigues, afirmou que há aspetos do novo quadro legal que não estão de acordo com as disposições comunitárias e que deveriam ser mais ajustados à realidade portuguesa, nomeadamente o número de entidades de interesse público que tem uma supervisão direta do supervisor "que é o dobro da Alemanha e estão sujeitas a um processo de supervisão oneroso e desproporcional em termos de custos".

Outra falha prende-se com "o mecanismo legislativo que devia pautar-se pela cooperação entre um supervisor que já existe, que é a Ordem, e o supervisor último que é a CMVM".

José Azevedo Rodrigues defende que devia estar prevista na legislação maior cooperação entre as duas entidades, "que tem existido", mas apenas "fruto da boa vontade", e não sob a forma de lei.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.