Carga fiscal de Portugal aumenta para 34,5% do PIB em 2015

Comparando com os restantes países da OCDE, verifica-se que Portugal é o 16.º país com uma carga fiscal mais elevada

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) divulgou que a carga fiscal aumentou 0,3 pontos percentuais em Portugal em 2015 face a 2014, atingindo os 34,5% do PIB, o que coloca o país na 16.ª posição.

De acordo com o relatório das estatísticas das receitas dos vários Estados-Membros da OCDE, divulgado na quarta-feira, o rácio dos impostos pagos face ao Produto Interno Bruto (PIB) em Portugal "aumentou 0,3 pontos percentuais, dos 34,2% em 2014 para os 34,5% em 2015", um aumento que foi de apenas 0,1 pontos no conjunto dos países da OCDE neste período.

"Desde 2000, o rácio dos impostos face ao PIB em Portugal aumentou de 31,1% para 34,5%", segundo o documento.

Comparando com os restantes países da OCDE, verifica-se que Portugal é o 16.º país com uma carga fiscal mais elevada, acima da de Espanha (33,8%) e da da Irlanda (23,6%), mas abaixo da da Grécia (36,8%) e da de Itália (43,3%).

Os países com maior carga fiscal são a Dinamarca (46,6%), França (45,5%) e a Bélgica (44,8%) e, do lado oposto da tabela, estão o México (17,4%) e o Chile (20,7%), segundo a OCDE.

Quanto à composição, a OCDE conclui que as receitas dos impostos sobre o valor acrescentado (o IVA) têm mais relevância em Portugal (representam 25% do total da carga fiscal) do que na OCDE (20%), mas que o peso dos impostos sobre o rendimento pessoal (o IRS) é mais baixo em Portugal (22%) do que na OCDE (24%).

Também o peso dos impostos sobre o rendimento das empresas (o IRC) é ligeiramente mais baixo em Portugal (8%) do que na média da OCDE (9%), bem como o dos impostos sobre a propriedade (4% em Portugal contra 6% na OCDE), ao passo que o das contribuições sociais está alinhado (26%).

O relatório da OCDE destaca ainda o "aumento de 0,9% pontos percentuais entre 2009 e 2014" da carga fiscal nas 35 economias da organização, "revertendo o declínio, de 33,8% para 32,4%, [registado] entre 2007 e 2009".

O maior aumento da carga fiscal entre 2014 e 2015 ocorreu no México (+2,3 pontos) e na Turquia (+1,3 pontos), mas foram registados "aumentos substanciais" na Estónia, na Grécia, na Hungria e na Eslováquia (superiores a um ponto percentual).

Por oposição, as maiores quedas da carga fiscal entre estes dois anos foram verificadas na Irlanda (-5,1 pontos, "devido ao crescimento excecionalmente elevado do PIB em 2015"), na Dinamarca (-3 pontos) e na Islândia (-1,8 pontos).

Se se alargar o período de comparação, a OCDE conclui que "os países individuais mostram tendências amplamente díspares": por exemplo, a carga fiscal da Noruega caiu quatro pontos percentuais entre 2007 e 2015, mas a da Grécia aumentou 5,6 pontos no mesmo intervalo de tempo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.