Câmara de Lisboa recua em leilão anulado e atribui três casas com rendas baixas

Leilão de rendas abre guerra na câmara. Vereador Manuel Salgado assume liderança de empresa municipal

Casas sem gente e gente sem casa. Tem sido assim desde que o leilão de rendas da Câmara de Lisboa (CML) foi suspenso em abril. Depois de ouvir os vencedores do concurso, no início do mês passado, a autarquia identificou três famílias "em risco" de ficar sem tecto e decidiu atribuir-lhes as casas que tinham licitado no leilão, "aplicando a renda mínima prevista", que varia entre 350 e 500 euros. Metade do valor que tinham oferecido.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.