Câmara começa hoje a enviar a devolução da Taxa de Proteção Civil

Os munícipes serão notificados "através de um vale postal", mas receberão apenas o que pagaram nos anos em que a taxa vigorou.

A Câmara de Lisboa vai dar hoje início ao processo de envio dos vales postais relativos à devolução dos valores pagos pelos munícipes, ao longo de três anos, da Taxa Municipal de Proteção Civil (TMPC).

Fonte oficial do município adiantou à agência Lusa que este processo estará articulado entre a Câmara e os correios e será "processado por zonas".

O presidente da Câmara de Lisboa afirmou a 05 de fevereiro que o município não vai devolver com juros os valores pagos relativos à TMPC porque a lei não o permite, apesar de essa ser a sua intenção.

Segundo o autarca, "a própria jurisprudência do Tribunal Constitucional corresponde a essa interpretação, de que a Câmara está vedada a fazer esse pagamento com juros".

Na mesma altura, Fernando Medina (PS) apontou que os munícipes serão notificados "através de um vale postal", mas receberão apenas o que pagaram nos anos em que a taxa vigorou.

O vale postal, que poderá ser depositado ou levantado nos correios, chegará às casas dos lisboetas "entre o final do mês de fevereiro e o início do mês de março".

A Câmara de Lisboa conta ter o processo concluído a 15 de março.

Desta forma, serão notificados "todos os contribuintes que fizeram esse pagamento e estão recenseados na base de dados", ou seja, "cerca de 92% dos lisboetas que efetuaram esse pagamento".

Já "aqueles cidadãos que têm a receber da Câmara verbas superiores a cinco mil euros" serão contactos pelo município e "será feita uma transferência bancária".

Também quem tem situações de dívida para com o município não irá receber o vale postal.

A Taxa Municipal de Proteção Civil, chumbada a 19 de dezembro do ano passado pelo Tribunal Constitucional, começou a ser cobrada aos proprietários em 2015 e veio substituir a taxa de conservação e manutenção dos esgotos, que passou a ser associada à do saneamento.

A Câmara Municipal de Lisboa tem de devolver aos munícipes proprietários cerca de 58 milhões de euros.

Entretanto, os vereadores do PSD e CDS-PP já vieram defender que o pagamento deve ser feito com juros.

Também a Associação Lisbonense de Proprietários ameaçou recorrer aos tribunais para reclamar que a Câmara de Lisboa pague aos donos de imóveis os juros pelos valores cobrados através da TMPC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."