C&A fecha quatro lojas em Portugal

Encerramento das lojas vai afetar 25 colaboradores. Empresa prevê, no entanto, abrir mais duas lojas em Portugal ainda este ano

A cadeia de vestuário C&A anunciou hoje que vai fechar quatro lojas da marca no mercado português, o que afeta 25 colaboradores, mas pretende abrir duas novas lojas durante este ano.

Em comunicado, a cadeia de vestuário adianta que "decidiu adaptar a sua estratégia para crescer de forma mais sustentável e reforçar o seu posicionamento", pelo que vai avançar com "um plano de transformação, que leva ao fecho de quatro lojas da marca em Portugal e à abertura de duas novas" unidades este ano.

Presente no mercado português há 26 anos, a C&A vai adaptar a sua estrutura no mercado português.

"Isto leva, ao longo do ano 2017, ao encerramento de quatro lojas em Portugal (Marshopping, Spacio Olivais, Allegro Alfragide e Fórum Barreiro). O plano afeta cerca de 25 colaboradores no nosso país - cerca de 4% da estrutura portuguesa -, com quem a empresa irá iniciar negociações", refere o grupo.

"Paralelamente, a marca vai proceder à abertura de duas novas lojas em Portugal durante este ano, em Loulé e Telheiras", acrescenta.

O plano de transformação da C&A "envolverá ainda um reforço das ações direcionadas ao consumidor e um desenvolvimento da componente digital, para que a marca se torne multicanal e responda às tendências de compra", explica.

"A C&A está presente em Portugal há 26 anos, mercado onde pretende continuar a apostar fortemente", afirma Domingos Esteves, diretor-geral da C&A Ibéria, citado em comunicado.

"E porque esta é a nossa estratégia, estamos a levar a cabo este plano de transformação e simplificação do negócio", acrescenta.

A C&A Europa conta com mais de 1.575 lojas em 19 países europeus e mais de 35.000 colaboradores. Além da Europa, a marca está presente no Brasil, China e México.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".