Bruxelas quer multar fabricantes automóveis que fujam às regras

Bruxelas exige que a Volkswagen indemnize os proprietários europeus, tal como fez com os americanos

A Comissão Europeia quer regras mais apertadas para a indústria automóvel e apresentou esta quarta-feira um pacote de medidas que, entre outras formas de dissuasão de fraudes ambientais, prevê a aplicação de multas às construtoras. As multas podem ascender aos "30 mil euros" por cada veículo produzido que não cumpra as regras.

A comissária Europeia para o Mercado Interno, Indústria e Empreendedorismo, a polaca Elzbieta Bienkowska, acredita que com estas medidas será possível evitar a repetição de casos como o da Volkswagen.

"Com estas propostas (...) vamos elevar a qualidade e independência dos testes automóveis e melhorar a supervisão dos carros já em circulação", considerou a comissária, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do colégio de comissários, em Bruxelas.

"Isto complementa os nossos esforços para introduzir os testes de emissões mais robustos em todo o mundo (...) para garantir que os limites mais rigorosos para as emissões são realmente cumpridos", afirmou.

Para isso, Bruxelas deverá ter poderes para "encerrar" centros técnicos que sejam pouco rigorosos na avaliação dos resultados de testes aos automóveis, para multar as construtoras e apertar as regras para a homologação de veículos. A Comissão Europeia quer ainda maior independência nos testes, os quais devem passar a ser realizados em cenário de condução real.

"Precisamos de apertar as regras, mas também de garantir que estas sejam efetivamente cumpridas", justificou o comissário do Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade, Jyrki Katainen, considerando que só assim será possível "restaurar as condições de concorrência equitativas e uma concorrência leal no mercado [único]".

Ao mesmo tempo que Bruxelas prepara estas regras, tem em curso uma investigação à Volkswagen, e vem insistentemente a exigir que a companhia avance com indemnizações aos proprietários europeus, tal como fez com os americanos. Nos Estados Unidos, os proprietários de viaturas adulteradas foram indemnizadas em cerca de 1000 dólares, em serviços da Volkswagen.

Na Europa, a construtora alemã recusa-se a colocar dinheiro em cima da mesa. Bruxelas não tem poderes para forçar a companhia a pagar indemnizações, mas pode avançar com algum tipo de procedimento comunitário contra Berlim. Por agora, a comissária não descarta essa possibilidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.