Bruxelas acredita que riscos em Portugal não se materializarão

"Riscos parecem contidos", admitiu Moscovici, comissário dos Assuntos Económicos da Comissão Europeia

A Comissão Europeia disse hoje acreditar que os riscos de incumprimento que identificou no plano orçamental português para 2017 "não se materializarão" e saudou os dados sobre crescimento económico conhecidos na véspera.

Na conferência de imprensa de apresentação dos pareceres da Comissão sobre os projetos de orçamento para 2017 dos Estados-membros da zona euro, o vice-presidente responsável pelo Euro, Valdis Dombrovskis, e o comissário dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, congratularam-se também com a "boa notícia" que representa a decisão de Bruxelas de não propor uma suspensão parcial de fundos a Portugal devido ao défice excessivo.

Moscovici apontou que, de acordo com a análise da Comissão, o esboço orçamental de Portugal para o próximo ano "coloca um risco de incumprimento" tendo em conta as exigências para 2017 a que o país está obrigado, mas o desvio encontrado tem uma "margem muito estreita".

"E aí entram os dados que conhecemos ontem (terça-feira), que mostram claramente que os riscos parecem contidos, desde que as necessárias medidas orçamentais sejam tomadas. Em termos concretos, isso significa que Portugal não precisa de apresentar medidas adicionais para 2017 desde que os riscos identificados não se materializem, e temos hoje uma esperança razoável de que não se materializem", declarou Moscovici.

Na terça-feira, o INE revelou que a economia portuguesa cresceu 1,6% no terceiro trimestre deste ano em termos homólogos e 0,8% face ao trimestre anterior, acima das previsões dos analistas.

Estes valores, de acordo com o Eurostat, para os 21 Estados-membros relativamente aos quais há dados disponíveis, colocam Portugal com o maior crescimento do PIB no terceiro trimestre do ano face ao trimestre anterior, juntamente com a Bulgária (0,8%), enquanto o crescimento da economia portuguesa em termos homólogos esteve precisamente em linha com a média da zona euro (1,6%).

O comissário dos Assuntos Económicos acrescentou que, de resto, a evolução que vê "é mais no sentido ascendente, com bons números para o crescimento para o quarto trimestre" de 2016.

Quanto à decisão da Comissão de não propor qualquer suspensão parcial de fundos (a Portugal e Espanha), Moscovici afirmou que, embora já fosse esperada, não deixa de constituir "boas notícias para ambos os países, nos quais o financiamento da UE desempenha um papel importante" para apoiar o investimento e ajudar a retoma económica.

Ler mais

Exclusivos