Brexit leva Panasonic a mudar sede europeia para a Holanda

Japonesa de eletrónica e eletrodomésticos muda-se por causa de eventuais questões fiscais com o Brexit

A Panasonic, empresa japonesa de eletrónica e eletrodomésticos, decidiu transferir a sua sede europeia na Grã-Bretanha para a Holanda, por causa de eventuais questões fiscais relacionadas com o Brexit, disse esta quinta-feira à AFP um porta-voz.

O presidente executivo da Panasonic Europe, Laurent Abadie, tinha afirmado essa intenção ao diário económico Nikkei.

A decisão decorre dos receios do Japão deixar de ver a Grã-Bretanha como um paraíso fiscal após o Brexit (saída da União Europeia) se Londres cortar drasticamente a taxa de imposto sobre as empresas que se mantenham no país, adiantou a mesma fonte.

Se este for o caso, a Panasonic poderá ser obrigada a pagar impostos às autoridades japonesas.

"Estamos a estudar há 15 meses a possibilidade de mudança", disse Abadie ao Nikkei.

Os receios da mobilidade de pessoas e bens também teveram um papel importante na decisão.

O Brexit já levou várias empresas japonesas, incluindo bancos como Mitsubishi UFJ Financial Group e Sumitomo Mitsui Financial Group, bem como as corretoras Nomura Holdings e Daiwa Securities, a decidir ou considerar a mudança das suas principais bases europeias para fora de Londres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.