BP vai despedir quatro mil pessoas

Portugal não deverá ser afectado porque cortes vão ocorrer no negócio da exploração de petróleo e cá a BP tem apenas venda de combustíveis.

O grupo petrolífero britânico BP anunciou hoje que vai suprimir pelo menos 4.000 empregos em todo o mundo nos próximos dois anos, num contexto de fracas cotações do barril de petróleo.

A atividade a montante (exploração e produção) vai assim passar de um total de 24.000 para 20.000 empregos até ao final de 2017, refere o grupo britânico num comunicado.

O grupo prevê designadamente 600 supressões de empregos no mar do Norte.

"Tendo em conta problemas bem conhecidos da atividade nesta região (...) e do endurecimento das condições de mercados, devemos adotar determinadas medidas para nos assegurarmos que a nossa empresa se mantém competitiva e robusta", explicou o presidente regional da BP para o mar do Norte, Mark Thomas.

Estes anúncios surgem numa altura em as cotações do barril de petróleo estão particularmente baixas e se aproximam, atualmente, da barreira simbólica de 30 dólares, obrigando as grandes companhias petrolíferas a reduzirem o número de empregados.

Assim, a Royal Dutch Shell já tinha anunciado no final do ano passado que tencionava suprimir 2.800 empregos no novo grupo resultante da fusão com a empresa BG Group, comprada recentemente pela Shell.

Este número junta-se à supressão de 7.500 empregos que já tinha sido anunciada pelos empregados da Shell.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).