BCE quer atuar perante baixas taxas de inflação na zona euro

"Não há razão para que deva permanecer uma taxa de inflação baixa permanente", disse Draghi

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, mostrou-se hoje favorável a que a entidade monetária atue perante as baixas taxas de inflação na zona euro.

Numa conferência organizada pelo banco central alemão (Bundesbank), a propósito da celebração de um ano da supervisão bancária unificada, Draghi disse em Frankfurt que "há forças hoje na economia global que se confluem para manter a inflação baixa".

"Estas forças podem fazer com que a inflação volte a ser o nosso objetivo mais lentamente, mas não há razão para que deva permanecer uma taxa de inflação baixa permanente", disse o presidente do BCE. Para Draghi, o importante é que "os bancos centrais atuem dentro dos seus mandatos para os cumprir".

Na zona euro, acrescentou, esta situação pode criar "vários desafios", que podem ser mitigados mas "não justificam a interação".

O presidente do BCE disse a 21 de janeiro que a entidade monetária poderá decidir aplicar mais estímulos monetários na reunião de março. "Os riscos de atuar demasiado tarde são maiores do que os de atuar demasiado cedo", disse Draghi.

O presidente do BCE defendeu ainda as medidas não convencionais de política monetária aplicada desde o verão de 2014 e sustentou que estas tiveram um impacto equivalente a um corte de 100 pontos base na taxa de juro diretora, em condições "normais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?