BCE faz tudo o que for preciso pelo euro até 2017 ou "por muito, muito tempo"

Plano de expansão monetária de Mario Draghi vai engordar mais um terço (360 mil milhões de euros) até 1,5 biliões de euros

Com a inflação da zona euro em 0,1%, bem longe dos quase 2% que tem por missão atingir, o Banco Central Europeu (BCE) decidiu reforçar o seu programa de expansão monetária (Quantitative Easing ou QE) em, pelo menos, 360 mil milhões de euros, que acrescem aos já programados 1,14 biliões até ao final de setembro de 2016. O QE foi assim estendido por mais seis meses, até março de 2017. O BCE garantiu ainda algo muito importante: que vai "reinvestir" os ativos comprados no âmbito deste programa, o que significa que o efeito de juros quase zero vai prolongar-se "por muito, muito tempo" além dos limites oficiais do programa (agora, março de 2017), referiu o presidente da autoridade monetária. Mario Draghi explicou que o programa QE será ampliado e que a compra de ativos aos bancos europeus - até aqui era sobretudo dívida pública nacional - irá contemplar também dívida local (autarquias) e regional. O italiano tem reconhecido que a inflação está mais fraca do que o esperado pelo que os governadores em Frankfurt decidiram "por uma larga maioria" ("mas não por unanimidade") que o BCE irá injetar (comprar títulos, como obrigações) mais dinheiro barato nos bancos (sem contrapartida de recompra, também chamada esterilização). Pelas contas de Draghi, o plano de QE vai portanto engordar mais um terço (360 mil milhões de euros) até aos 1,5 biliões.

"Os riscos quanto às perspetivas de crescimento para a zona euro devem-se a incertezas acrescidas relacionadas com a evolução da economia mundial, bem como a riscos geopolíticos mais abrangentes", qualificou. "Tais riscos têm o potencial para pesar sobre o crescimento mundial e a procura externa de exportações da área do euro e, de modo mais generalizado, sobre a confiança", acrescentou Draghi.

Na opinião de Sophie Tahiri, analista da S&P que segue a zona euro e a política do BCE, "será improvável" que o ritmo de crescimento esperado para a área do euro "seja rápido o suficiente para fazer subir a inflação até à meta" oficial de próximo mas abaixo de 2%. Frankfurt avançou por isso com o QE e outras medidas de apoio. "No entanto, o crescimento económico e, consequentemente, as perspetivas de inflação permanecem limitados pelo elevado nível de dívida privada e pública de muitos países e pelo progresso lento das reformas." Por isso, a S&P considera que "a política monetária não será capaz de compensar os atrasos" dos países. L.R.R.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.