Comissões vão continuar com outro nome?

Petição da Deco será discutida no parlamento. Entretanto, bancos estão a criar estratégias para continuar a cobrar as comissões mas com outro nome.

A Assembleia da República vai discutir nos próximos meses uma petição da associação de defesa do consumidor Deco que pede o fim das comissões bancárias. O pretexto para este debate é a comissão de manutenção da banca de depósito à ordem que atualmente tem um custo de 5,28 euros (63,36 euros anuais) nos cinco maiores bancos do país.

No entanto, mesmo que o Parlamento imponha limites ao aumento das comissões, os bancos "já se protegeram contra essa eventualidade", com a criação de contas-serviço ou contas-pacote, para onde encaminharam boa parte dos clientes, explica o jornal Público.

Nestas contas, explica o jornal, "são empacotados vários produtos, como os custos das comissões das contas à ordem, os cartões de débito e de crédito, transferências intrabancárias, entre outras, sem que nenhuma delas tenha um custo específico". Assim, "os clientes pagam um valor global, que em vários bancos assume a designação de "custo de gestão", deixando cair a polémica designação de "custo de manutenção", que os clientes têm dificuldade em perceber".

O custo destas contas é variável dentro de cada instituição, e entre instituições, já que agregam diferentes produtos e serviços. Segundo um levantamento da Deco, o custo mensal média da conta de serviços mais barata dos cinco maiores, é de 5,57 euros mensais, sem domiciliação de ordenado ou pensão, e de 3,49 euros com domiciliação de ordenado.

Segundo o Público, as contas serviços apresentam vantagens para os clientes com elevada utilização de produtos e serviços bancários, que dessa forma tiram partido do valor pago globalmente, e não por cada serviço, mas pode ter desvantagens para quem faz menor utilização, porque está a pagar por serviços que não usa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.