Banco de Portugal mantém estimativa de crescimento económico nos 2,3%

A economia portuguesa deverá crescer 2,3% este ano, abrandando nos dois próximos, ao crescer 1,9% em 2019 e 1,7% em 2020, refere o Banco de Portugal

O Banco de Portugal (BdP) mantém-se ligeiramente mais otimista do que o Governo, esperando que a economia cresça 2,3% em 2018, admitindo vir a rever em alta a previsão de crescimento do PIB deste ano.

Hoje, o BdP atualiza as projeções económicas que apresentou no Boletim Económico de dezembro, mantendo a estimativa do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) que tinha feito na altura: a economia portuguesa deverá crescer 2,3% este ano, abrandando nos dois próximos, ao crescer 1,9% em 2019 e 1,7% em 2020.

Enquadradas por uma envolvente económica e financeira favorável, as atuais projeções apontam para a gradual maturação do processo de expansão da economia portuguesa no período 2018-20, aproximando-se progressivamente do seu atual ritmo de crescimento potencial

O banco central mantém-se assim ligeiramente mais otimista do que o Governo, que prevê um crescimento do PIB de 2,2% este ano, e admite rever em alta a projeção do crescimento para 2018.

"Enquadradas por uma envolvente económica e financeira favorável, as atuais projeções apontam para a gradual maturação do processo de expansão da economia portuguesa no período 2018-20, aproximando-se progressivamente do seu atual ritmo de crescimento potencial. Neste contexto, identificam-se riscos ligeiramente em alta no curto prazo associados à possibilidade de um impulso cíclico mais forte do que o antecipado", lê-se nas Projeções para a Economia Portuguesa: 2018-2020 publicadas hoje.

O BdP explica que o crescimento do PIB entre 2018 e 2020 está sustentado no "forte desempenho" das exportações de bens e serviços, no "dinamismo" do investimento, ou Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), e no crescimento do consumo privado

No relatório, o BdP recorda que há cerca de um ano previa um crescimento de 1,8% no conjunto de 2017, um valor que acabou por ficar 0,9 pontos percentuais acima (2,7%). Hoje, o BdP admite que subestimou as exportações, "em particular do ganho de quota de mercado", bem como o investimento e o consumo privado (embora numa dimensão inferior).

O BdP explica que o crescimento do PIB entre 2018 e 2020 está sustentado no "forte desempenho" das exportações de bens e serviços, no "dinamismo" do investimento, ou Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), e no crescimento do consumo privado.

As exportações devem crescer 7,2% em 2018, 4,8% em 2019 e 4,2% em 2020, com o BdP a antecipar novos ganhos de quota de mercado, "ainda que mais moderados ao longo do horizonte de projeção".

O consumo privado "continuará a crescer de forma moderada", a um ritmo ligeiramente inferior ao da atividade

A estimativa do banco central aponta para "um ritmo de crescimento significativo ao longo dos próximos anos" do investimento, embora mais moderado do que o observado em 2017. Depois de ter aumentado 9% em 2017, a FBCF deverá crescer 6,5% em 2018, 5,6% em 2019 e 5,4% em 2020, aponta o BdP.

Já o consumo privado "continuará a crescer de forma moderada", a um ritmo ligeiramente inferior ao da atividade. "Ao longo do horizonte de projeção, o consumo privado desacelera, em linha com a evolução do rendimento disponível real, crescendo 2,1% em 2018, 1,9% em 2019 e 1,7% em 2020", projeta a instituição liderada por Carlos Costa.

Comparando com 2008, o ano anterior ao início da crise financeira internacional, o PIB "deverá ser 4,7% superior em 2020", com o consumo privado a aumentar 4%, o investimento empresarial a subir 6,4%.

Por sua vez, as exportações vão representar mais 70% do que o observado antes da crise financeira internacional, sendo que "as exportações de turismo mais do que duplicam", observa o banco central.

Em 2018, as contas externas deverão apresentar um excedente de 2,1% do PIB, superior em 0,7 pontos percentuais ao registado no ano passado (1,4%)

"Esta evolução contribui para o aumento do grau de abertura da economia portuguesa, que é acompanhado pela manutenção de um excedente da balança corrente e de capital de cerca de 2% do PIB, em média, no período 2018-2020", nota.

Em 2018, as contas externas deverão apresentar um excedente de 2,1% do PIB, superior em 0,7 pontos percentuais ao registado no ano passado (1,4%).

O BdP afirma que "a economia portuguesa vai continuar a beneficiar de um enquadramento económico e financeiro favorável, incluindo um crescimento robusto da procura externa, em torno de 4%, uma orientação acomodatícia da política monetária da área do euro -- num quadro de redução gradual dos estímulos --, bem como uma manutenção das condições de financiamento dos agentes económicos".

Quanto à inflação, depois dos preços no consumidor terem aumentado 1,6% em 2017, o BdP estima subidas inferiores este ano e nos dois próximos (1,2% em 2018, 1,4% em 2019 e 1,5% em 2020).

Por outro lado, a instituição afirma que "persistem fragilidades estruturais que não podem ser ignoradas" e que têm penalizado o potencial de crescimento da economia portuguesa, como o elevado endividamento das empresas e das famílias, o envelhecimento da população e a produtividade ainda limitada.

No médio prazo, o BdP considera a existência de riscos descendentes, sobretudo o aumento de tensões nos mercados financeiros, o agravamento de tensões geopolíticas a nível internacional e a adoção de medidas protecionistas a nível global.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?