Banco de Portugal mantém estimativa de crescimento económico nos 2,3%

A economia portuguesa deverá crescer 2,3% este ano, abrandando nos dois próximos, ao crescer 1,9% em 2019 e 1,7% em 2020, refere o Banco de Portugal

O Banco de Portugal (BdP) mantém-se ligeiramente mais otimista do que o Governo, esperando que a economia cresça 2,3% em 2018, admitindo vir a rever em alta a previsão de crescimento do PIB deste ano.

Hoje, o BdP atualiza as projeções económicas que apresentou no Boletim Económico de dezembro, mantendo a estimativa do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) que tinha feito na altura: a economia portuguesa deverá crescer 2,3% este ano, abrandando nos dois próximos, ao crescer 1,9% em 2019 e 1,7% em 2020.

Enquadradas por uma envolvente económica e financeira favorável, as atuais projeções apontam para a gradual maturação do processo de expansão da economia portuguesa no período 2018-20, aproximando-se progressivamente do seu atual ritmo de crescimento potencial

O banco central mantém-se assim ligeiramente mais otimista do que o Governo, que prevê um crescimento do PIB de 2,2% este ano, e admite rever em alta a projeção do crescimento para 2018.

"Enquadradas por uma envolvente económica e financeira favorável, as atuais projeções apontam para a gradual maturação do processo de expansão da economia portuguesa no período 2018-20, aproximando-se progressivamente do seu atual ritmo de crescimento potencial. Neste contexto, identificam-se riscos ligeiramente em alta no curto prazo associados à possibilidade de um impulso cíclico mais forte do que o antecipado", lê-se nas Projeções para a Economia Portuguesa: 2018-2020 publicadas hoje.

O BdP explica que o crescimento do PIB entre 2018 e 2020 está sustentado no "forte desempenho" das exportações de bens e serviços, no "dinamismo" do investimento, ou Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), e no crescimento do consumo privado

No relatório, o BdP recorda que há cerca de um ano previa um crescimento de 1,8% no conjunto de 2017, um valor que acabou por ficar 0,9 pontos percentuais acima (2,7%). Hoje, o BdP admite que subestimou as exportações, "em particular do ganho de quota de mercado", bem como o investimento e o consumo privado (embora numa dimensão inferior).

O BdP explica que o crescimento do PIB entre 2018 e 2020 está sustentado no "forte desempenho" das exportações de bens e serviços, no "dinamismo" do investimento, ou Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), e no crescimento do consumo privado.

As exportações devem crescer 7,2% em 2018, 4,8% em 2019 e 4,2% em 2020, com o BdP a antecipar novos ganhos de quota de mercado, "ainda que mais moderados ao longo do horizonte de projeção".

O consumo privado "continuará a crescer de forma moderada", a um ritmo ligeiramente inferior ao da atividade

A estimativa do banco central aponta para "um ritmo de crescimento significativo ao longo dos próximos anos" do investimento, embora mais moderado do que o observado em 2017. Depois de ter aumentado 9% em 2017, a FBCF deverá crescer 6,5% em 2018, 5,6% em 2019 e 5,4% em 2020, aponta o BdP.

Já o consumo privado "continuará a crescer de forma moderada", a um ritmo ligeiramente inferior ao da atividade. "Ao longo do horizonte de projeção, o consumo privado desacelera, em linha com a evolução do rendimento disponível real, crescendo 2,1% em 2018, 1,9% em 2019 e 1,7% em 2020", projeta a instituição liderada por Carlos Costa.

Comparando com 2008, o ano anterior ao início da crise financeira internacional, o PIB "deverá ser 4,7% superior em 2020", com o consumo privado a aumentar 4%, o investimento empresarial a subir 6,4%.

Por sua vez, as exportações vão representar mais 70% do que o observado antes da crise financeira internacional, sendo que "as exportações de turismo mais do que duplicam", observa o banco central.

Em 2018, as contas externas deverão apresentar um excedente de 2,1% do PIB, superior em 0,7 pontos percentuais ao registado no ano passado (1,4%)

"Esta evolução contribui para o aumento do grau de abertura da economia portuguesa, que é acompanhado pela manutenção de um excedente da balança corrente e de capital de cerca de 2% do PIB, em média, no período 2018-2020", nota.

Em 2018, as contas externas deverão apresentar um excedente de 2,1% do PIB, superior em 0,7 pontos percentuais ao registado no ano passado (1,4%).

O BdP afirma que "a economia portuguesa vai continuar a beneficiar de um enquadramento económico e financeiro favorável, incluindo um crescimento robusto da procura externa, em torno de 4%, uma orientação acomodatícia da política monetária da área do euro -- num quadro de redução gradual dos estímulos --, bem como uma manutenção das condições de financiamento dos agentes económicos".

Quanto à inflação, depois dos preços no consumidor terem aumentado 1,6% em 2017, o BdP estima subidas inferiores este ano e nos dois próximos (1,2% em 2018, 1,4% em 2019 e 1,5% em 2020).

Por outro lado, a instituição afirma que "persistem fragilidades estruturais que não podem ser ignoradas" e que têm penalizado o potencial de crescimento da economia portuguesa, como o elevado endividamento das empresas e das famílias, o envelhecimento da população e a produtividade ainda limitada.

No médio prazo, o BdP considera a existência de riscos descendentes, sobretudo o aumento de tensões nos mercados financeiros, o agravamento de tensões geopolíticas a nível internacional e a adoção de medidas protecionistas a nível global.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.