Banco de Portugal deixa passar crédito sem garantia no Montepio

Em causa está um empréstimo de 17 milhões a José Guilherme. BdP mandou resolver o vazio em 2018.

Durante quatro anos, o Montepio, supervisionado pelo Banco de Portugal, não foi obrigado a registar como imparidade o crédito de 17 milhões de euros concedido a José Guilherme, avança o Público, esta segunda-feira. Entre meados de 2014 e final de 2018, o BdP aceitou como válida uma garantia bancária emitida pelo Finibanco Angola, mas este banco, controlado pelo Montepio, não reconhecia a garantia desde 2015, adianta o jornal diário.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.