BCE corta todas as taxas e aumenta pacote de estímulos à economia

Draghi afirma que o Banco Central Europeu pode descer as taxas de juro ainda mais, após o corte anunciado esta manhã

O Banco Central Europeu (BCE) cortou a taxa de juro de referência de 0,05% para 0%, um novo mínimo histórico, ao mesmo tempo que desceu a taxa de depósitos, para -0,40%, e a taxa de refinanciamento, para 0,25%.

Estas são algumas das medidas reveladas esta quinta-feira para estimular a recuperação da zona euro, um "pacote" mais ambicioso do que o esperado e que já está a ter efeitos nas bolsas.

Na reunião de hoje, a instituição liderada por Mario Draghi decidiu ainda aumentar o volume mensal do programa de compra de dívida que lançou há um ano e passou-o de 60 mil milhões de euros para 80 mil milhões de euros. Ou seja, mais dinheiro para injetar na economia, já que alargaram o tipo de ativos que o BCE pode comprar. Esta decisão aprovada na reunião de política monetária do BCE terá efeitos a partir de abril, indicou a instituição em comunicado.

Taxas de juro podem descer ainda mais

Mario Draghi afirmou numa conferência de imprensa esta quinta-feira que as taxas de juro na zona euro podem descer ainda mais, depois do corte anunciado durante a manhã. "As taxas de juro vão ficar nos níveis atuais ou mais baixos por um longo período, para lá do fim do programa de compra de ativos", que deve terminar em março de 2017, disse Draghi.

As bolsas europeias, que hoje arrancaram em alta ligeira, com os investidores a aguardarem pela reunião de política monetária do BCE, reagiram bem ao anúncio.

O euro, por lado, afundou-se - um efeito pretendido, já que o aumento do euro seria um peso na recuperação económica, ao tornar as importações mais baratas.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos