Autoeuropa pára produção 12 dias por falta de peças

Fábrica de Palmela é novamente confrontada com falta de peças para motores. Maior interrupção irá ocorrer entre 23 de dezembro e 3 de janeiro.

A Autoeuropa vai parar a produção de automóveis durante 12 dias no espaço de um mês. Em causa está a falta de peças para motores. Devido a esta suspensão, apenas a unidade dedicada às prensas vai funcionar de forma parcial, segundo a informação transmitida na sexta-feira aos trabalhadores. A notícia adiantada pelo Eco já foi confirmada pelo Dinheiro Vivo junto de fonte oficial da Autoeuropa.

A produção será suspensa por três períodos: dia 9 de dezembro, serão cancelados os dois turnos; dia 22 de dezembro será cancelado o turno da tarde; entre 23 de dezembro e 3 de janeiro haverá uma paragem coletiva da montagem de automóveis. "A produção será retomada no turno da noite do dia 4 de janeiro", refere a nota enviada aos trabalhadores.

Estas paragens serão registadas como férias coletivas (24 e 31 de dezembro, 2 e 3 de janeiro) e como dias sem produção (9, 22, 23, 26, 27, 28, 29 e 30 de dezembro).

A falta de peças para a produção de automóveis tem condicionado a produção da Autoeuropa ao longo de 2018: já houve vários dias de não produção por falta de componentes para assegurar a montagem de veículos.

Nas últimas semanas, a fábrica de Palmela também tem tido dificuldades para exportar os automóveis produzidos: com o Porto de Setúbal parado devido ao protestos dos estivadores eventuais, a Autoeuropa tem usado os portos de Leixões, Vigo e Santander (estes dois em Espanha) para escoar os veículos produzidos. Devido à acumulação de automóveis em Setúbal, a fábrica teve de prolongar o uso da Base Aérea do Montijo para estacionar milhares de automóveis que aguardam exportação.

No início do ano, a Autoeuropa fixou como objetivo para 2018 a produção de 240 mil automóveis, o maior número de sempre, graças à aceleração da produção do SUV T-Roc.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".