Associação Montepio Geral reúne para passar Caixa Económica a sociedade anónima

A razão da mudança deve-se à evolução e alargamento do seu âmbito de atividade, desde a fundação em 1844, a atividades exclusivas dos bancos

A Associação Mutualista Montepio convocou uma assembleia geral, para dia 04 de abril, com o objetivo de "ultimar o processo de transformação da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) em sociedade anónima", conforme nota explicativa hoje distribuída.

A razão da mudança deve-se à evolução e alargamento do seu âmbito de atividade, desde a fundação em 1844, a atividades exclusivas dos bancos, adiantou a instituição.

Tal alargamento motivou inclusive um novo regime jurídico das caixas económicas, criado em 2015.

A CEMG tem estado subordinada ao Montepio Geral -- Associação Mutualista, a quem tem alocado os respetivos lucros.

Concretiza-se assim a deliberação do Banco de Portugal, que determinou em 21 de novembro de 2016, a transformação da CEMG em sociedade anónima.

A assembleia geral vai aprovar, em particular, uma proposta de alteração dos estatutos, aprovada pela administração em 30 de março último, a culminar um processo que envolveu outras entidades, designadamente o Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de valores Mobiliários.

Em dezembro, o presidente do Grupo Montepio, António Tomás Correia, garantiu que a Associação Mutualista Montepio Geral continuará a ser proprietária do total do capital social da CEMG, apesar da transformação do banco mutualista em sociedade anónima.

As contas individuais da Associação Mutualista Montepio, relativas a 2016, foram aprovadas na quinta-feira, em assembleia-geral, com um lucro de 7,4 milhões de euros.

Antes, na quarta-feira, a CEMG apresentou um prejuízo de 86,5 milhões relativo ao exercício do ano passado, uma melhoria face ao resultado líquido negativo de 243 milhões de euros em 2015.

A associação e o banco mutualistas têm estado em foco, com uma sucessão de notícias negativas, como a constituição de António Tomás Correia como arguido num processo em que é suspeito de ter recebido indevidamente 1,5 milhões de euros do empresário da construção civil José Guilherme.

Fonte ligada à investigação precisou na quarta-feira à Lusa que Tomás Correia não é arguido na "Operação Marquês", mas num outro inquérito autónomo resultante de elementos recolhidos naquela investigação em que o ex-primeiro-ministro José Sócrates é um dos arguidos.

Tomás Correia reiterou na quarta-feira, em comunicado, que abdicará das suas funções se se colocar a possibilidade de transitar em julgado algo a seu desfavor.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.