ASAE apreende cerca de 1300 brinquedos e instaura 27 contraordenações

Na Operação Brincar foram fiscalizados 250 operadores económicos que vendiam brinquedos.

A ASAE apreendeu cerca de 1300 brinquedos, no valor aproximado de 12 mil euros, e instaurou 27 processos de contraordenação durante uma operação de fiscalização realizadas nas primeiras semanas de novembro em todo o país, indicou hoje aquele organismo.

Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) adianta que durante esta ação, denominada Operação Brincar, foram fiscalizados 250 operadores económicos que vendiam brinquedos.

A ASAE realizou, nas primeiras semanas de novembro em todo o país, uma operação de fiscalização para verificar a segurança dos brinquedos, tendo em conta o início da época de Natal.

Esta fiscalização teve como objetivo garantir que sejam disponibilizados no mercado brinquedos seguros, bem como promover o bom funcionamento do mercado interno.

Segundo a ASAE, as principais infrações estavam relacionadas com a violação das obrigações relativas aos avisos constantes nos produtos, o incumprimento dos deveres dos distribuidores, a violação das regras e condições de aposição da marcação "CE", a falta de informações obrigatórias por parte dos importadores e a violação dos requisitos essenciais de segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.