As famílias com mais dinheiro hoje são as mesmas que existiam na Idade Média

O tempo e as revoluções pouco ou nada mudaram na distribuição de riqueza no mundo. Economistas italianos concluem que ter antepassados entre as elites é meio caminho andado para estar entre os mais ricos

Pai rico, filho nobre, neto pobre, diz o ditado popular. E os especialistas parecem concordar, ao defender que praticamente todas as vantagens - ou desvantagens - que advêm dos nossos antepassados desaparecem em três gerações. Mas Guglielmo Barone e Sauro Mocetti, economistas do Banco de Itália, vieram agora argumentar que não é bem assim. Na verdade, defendem, as famílias mais ricas de Florença são, 600 anos depois, as mesmas. Os dois estudiosos acreditam que estes resultados podem ser extrapolados para outros países europeus.

No trabalho, intitulado Qual é o seu apelido? A mobilidade intergeracional nos últimos seis séculos, os dois economistas analisaram os dados dos contribuintes de Florença em 1427 e compararam-nos com os de 2011. "Os contribuintes que estão, atualmente, nos escalões de topo já estavam no topo da escada socioeconómica há seis séculos. Eram advogados ou membros das guildas [nome dado na Idade Média às associações] dos sapateiros, da lã ou da seda. Tiveram sempre rendimentos e riqueza acima da média", referem Barone e Mocetti. E destacam: "Em contraste, os sobrenomes mais pobres tinham ocupações menos prestigiadas, e os seus rendimentos e riqueza ficaram abaixo da média na maioria dos casos." Em causa estão, maioritariamente, operários têxteis e, curiosamente, médicos.

No estudo, os economistas italianos mantiveram a confidencialidade dos sobrenomes em causa. Mas sempre vão explicando que ser descendente da família Bernardi (que estava no percentil 90 da distribuição de rendimentos em 1427), em vez de pertencer à família Grasso (que estava no percentil 10), implicaria um aumento de 5% nos rendimentos atuais. A elasticidade da riqueza intergeracional é significativa e "a magnitude do seu efeito implícito é ainda maior", dizem, na medida em que o mesmo exercício do percentil 10 e do percentil 90 implica hoje uma diferença superior a 10%. "Encontramos algumas evidências da existência de um "piso de vidro" que protege os descendentes da classe superior de caírem pela escada económica", defendem Barone e Mocetti.

O tema não é exclusivo de Itália e tem mesmo gerado interesse em outros estudiosos no mundo. Gregory Clark, da Universidade da Califórnia, e Neil Cummins da London School of Economics, dedicaram-se a analisar a ligação entre o estatuto educacional das famílias inglesas e os seus sobrenomes entre 1170 e 2012 e chegaram à conclusão de que essa correlação se mantém inalterada ao longo dos séculos. "A mobilidade social na Inglaterra é pouco maior do que nos tempos pré-industriais."

Na verdade, concluem estes investigadores, "todas as mudanças sociais e económicas que tomamos por garantidas não fizeram a mais pequena diferença na correlação entre os sobrenomes mais sonantes e instruídos das sociedades e o status social. "O mais notável é a falta de qualquer sinal de declínio na persistência de status ao longo das principais mudanças institucionais, como a Revolução Industrial no século XVIII, a disseminação da escolarização universal no final do século XIX, ou a ascensão do estado social-democrata no século XX ", sublinham.

O estudo de Gregory Clark e Neil Cummins não se restringiu a analisar a realidade inglesa, mas também a sueca, a americana, a japonesa, a coreana, a chilena e até a chinesa. E o mais curioso é que concluem que a mobilidade social na China comunista, incluindo nos anos de Mao Tse Tung, é muito similar à da Inglaterra e dos restantes países. Ou seja, a culpa da manutenção das mesmas elites no topo de cadeia social não é do capitalismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.