Apple quer impedir acessos não autorizados aos iPhones

Medida é para travar hackers, diz a marca, mas a polícia também vai ficar impedida de desbloquear os telefones

A Apple anunciou uma atualização às definições de origem do iPhone para impedir que este possa ser desbloqueado por terceiros. A medida vai proteger os telemóveis dos hackers, mas também impedir que a polícia continue a usar uma brecha que permitia aceder aos aparelhos.

A nova atualização do sistema operativo dos iPhones e iPads (o iOS) vai ter uma nova opção, chamada de Restrição do Modo USB, que impede o acesso de transferência de dados através via USB, depois de passada uma hora desde a última vez em que o telemóvel foi bloqueado. A entrada pode ainda assim continuar a ser usada para carregar o telemóvel.

"Estamos constantemente a fortalecer as proteções de segurança em cada produto Apple para ajudar os consumidores a defenderem-se dos hackers, ladrões de identidade e violações dos seus dados pessoais", escreveu a Apple, num comunicado, divulgado na quarta-feira.

Com esta alteração, também as autoridades perdem acesso aos telemóveis. O que pode reacender a discussão entre a empresa e as autoridades norte-americanas, iniciada em 2016 quando a marca decidiu não desbloquear o telemóvel do autor do tiroteio de San Bernardino, onde morreram 14 pessoas, a pedido do FBI. Uma discussão que tem continuado, com o governo norte-americano a pedir às empresas tecnológicas que criem um sistema legal de acesso nos seus aparelhos e que estas têm recusado.

"Temos um grande respeito pelas forças da lei e não desenhamos as nossas atualizações de segurança para frustrar os seus esforços de fazerem o seu trabalho", defendeu a Apple no mesmo comunicado.

A atual versão do sistema operativo permite retirar dados do telemóvel, via USB, até uma semana depois da última vez que o telemóvel foi bloqueado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.