Apple quer impedir acessos não autorizados aos iPhones

Medida é para travar hackers, diz a marca, mas a polícia também vai ficar impedida de desbloquear os telefones

A Apple anunciou uma atualização às definições de origem do iPhone para impedir que este possa ser desbloqueado por terceiros. A medida vai proteger os telemóveis dos hackers, mas também impedir que a polícia continue a usar uma brecha que permitia aceder aos aparelhos.

A nova atualização do sistema operativo dos iPhones e iPads (o iOS) vai ter uma nova opção, chamada de Restrição do Modo USB, que impede o acesso de transferência de dados através via USB, depois de passada uma hora desde a última vez em que o telemóvel foi bloqueado. A entrada pode ainda assim continuar a ser usada para carregar o telemóvel.

"Estamos constantemente a fortalecer as proteções de segurança em cada produto Apple para ajudar os consumidores a defenderem-se dos hackers, ladrões de identidade e violações dos seus dados pessoais", escreveu a Apple, num comunicado, divulgado na quarta-feira.

Com esta alteração, também as autoridades perdem acesso aos telemóveis. O que pode reacender a discussão entre a empresa e as autoridades norte-americanas, iniciada em 2016 quando a marca decidiu não desbloquear o telemóvel do autor do tiroteio de San Bernardino, onde morreram 14 pessoas, a pedido do FBI. Uma discussão que tem continuado, com o governo norte-americano a pedir às empresas tecnológicas que criem um sistema legal de acesso nos seus aparelhos e que estas têm recusado.

"Temos um grande respeito pelas forças da lei e não desenhamos as nossas atualizações de segurança para frustrar os seus esforços de fazerem o seu trabalho", defendeu a Apple no mesmo comunicado.

A atual versão do sistema operativo permite retirar dados do telemóvel, via USB, até uma semana depois da última vez que o telemóvel foi bloqueado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.