Após escândalos, YouTube muda as regras para garantir confiança dos anunciantes

Os canais do YouTube passam a precisar de 1.000 subscritores e mais de 4.000 horas de visualização num ano para serem elegíveis para anúncios.

"Não há como negar que 2017 foi um ano difícil com vários casos a afetarem a nossa comunidade e os nossos parceiros de publicidade." É desta forma que arranca a publicação de Paul Muret, vice-presidente da secção de Display, Vídeo e Analytics da Google, na qual o responsável anunciou as mudanças que entram agora em vigor para o YouTube.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.