Anúncios a séries no Netflix revoltam utilizadores

Empresa de streaming diz que é possível ir diretamente para o conteúdo que se pretende visualizar, evitando anúncios

A plataforma de streaming Netflix começou a mostrar anúncios a conteúdos disponíveis no serviço entre filmes e séries. "Estamos a testar de que forma é que as recomendações entre episódios ajudam os assinantes a descobrir mais rapidamente certas histórias de que vão gostar", justificou ao site ARS Technica fonte oficial da empresa.

No entanto, a medida foi alvo de críticas por parte de alguns utilizadores. Nas redes sociais alguns dizem que não faz sentido, uma vez que este é um serviço pago por subscrição.

"Há alguns anos introduzimos trailers na experiência de televisão, porque reparámos que eles reduziam significativamente o tempo que os membros gastam a procurar conteúdos", disse a empresa num comunicado, garantindo que os utilizadores podem saltar diretamente para o conteúdo que pretendem ver.

Esta medida já fez alguns utilizadores ameaçar abandonar o serviço. "Agora, o Netflix está a mostrar anúncios aos seus próprios programas. É tempo de cancelar a minha subscrição", escreveu um utilizador no Twitter. "Adoro o Netflix e sou assinante há vários anos. Mas se começarem a ter anúncios, mesmo se os poder saltar, irei cancelar a minha conta", disse outra assinante na mesma rede social.

Não se sabe se o Netflix está a testar estes anúncios em todos os mercados ou apenas nos anglófonos, já que há relatos de países como os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália.

Ler mais

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."