Chineses garantem que Mexia ficará à frente da EDP

China Three Gorges garante que o presidente executivo, reconduzido com 99,7% dos votos em abril, se mantém líder se a OPA à EDP for bem-sucedida. Preço, Bruxelas e Trump são obstáculos que a estatal chinesa tem de ultrapassar

Mesmo que fique totalmente em mãos chinesas, a EDP não terá um novo líder. A China Three Gorges (CTG) afasta o cenário de mudança que chegou a ser traçado, segundo o qual António Mexia estaria de saída da maior elétrica portuguesa. "Os órgãos sociais da EDP foram aprovados na última assembleia geral, realizada em abril, para os próximos três anos, pelo que não está em cima da mesa qualquer alteração aos órgãos sociais", disse ao DN/Dinheiro Vivo fonte oficial da CTG.

Nos últimos dias, foram traçados cenários que indicavam que Mexia poderia não completar o atual (quinto) mandato. Ao DN/Dinheiro Vivo, fontes próximas do gestor afirmaram que este teria garantido um pacote confortável para se retirar com honra da liderança do grupo. "Há um acordo de cavalheiros" e "o António deverá querer, como qualquer gestor, deixar assegurado um sucessor", disse fonte próxima. As razões apontadas para a possível alteração na administração eram divergentes, mas várias fontes referiam que a liderança do gestor na elétrica estaria a chegar ao fim. Algumas apontavam que a China Three Gorges há muito queria a saída, outras reforçavam que o gestor não caíra nas boas graças do Estado chinês - que controla a CTG - devido a situações envolvendo a estatal chinesa State Grid, principal acionista da REN, que gere as redes energéticas em Portugal. A isto acrescia o facto de ser arguido no caso das rendas pagas pelo Estado à EDP.

A verdade é que há apenas um mês António Mexia, que lidera a EDP desde 2005 (tendo antes sido brevemente ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações e líder da Galp), foi reconduzido no cargo com uma esmagadora maioria de 99,7% dos votos.

Fontes próximas do gestor salientam, ainda assim, que algumas das suas qualidades deixariam de ser necessárias num cenário pós-OPA, sendo a principal a facilidade em lidar com diferentes acionistas - incluindo norte-americanos. "A EDP vai ser uma empresa diferente e vai precisar de um líder com outro perfil."

Mas mesmo que viesse a acontecer, a saída de António Mexia nunca aconteceria no curto prazo. "A OPA ainda vai demorar muitos meses. Requer a aprovação de várias entidades de mais de meia dúzia de países e a Comissão Europeia e a Casa Branca" têm ainda uma palavra, sublinha uma fonte. "E há ainda a possibilidade de surgirem ofertas concorrentes, o que irá prolongar todo o processo", disse outra fonte.

OPA defensiva

A CTG anunciou na sexta-feira a intenção de lançar uma OPA sobre a EDP e a EDP Renováveis. Ou seja, uma empresa que foi privatizada voltará, se a operação tiver sucesso, a ser uma empresa estatal. Mas, em vez de portuguesa, será chinesa.

O movimento é visto sobretudo como defensivo e um aviso, nomeadamente a potenciais interessados em comprar a EDP, como a Gás Natural e a Engie. Para analistas, a Comissão Europeia e a administração americana de Donald Trump serão os principais entraves à operação sobre a elétrica nacional nos moldes atuais. A China Three Gorges poderá ter de assumir compromissos, como a venda de ativos. Um dos pontos que podem causar atrito é o facto de a EDP passar a ser detida pelo mesmo acionista que controla também a REN - o Estado chinês.

Na União Europeia, o esforço tem sido o de desagregar a propriedade das redes retalhista e grossista. Outro ponto contra é o preço. Segundo a Bloomberg, a administração da EDP deverá recomendar o chumbo da OPA devido ao preço baixo. "Se houvesse um prémio de 20% face à última cotação, os acionistas não estariam numa má posição", diz ao DN/Dinheiro Vivo Andrew Moulder, analista da CreditSights. O facto de a CTG fazer uma oferta em dinheiro é uma vantagem, mas ainda há tempo para novas ofertas de concorrentes. "Esperaria, caso haja outra oferta, que provavelmente seria de um comprador do setor."

A este poderão juntar-se fundos americanos interessados nessa contra-OPA, conforme já tinha avançado o Dinheiro Vivo no sábado. É caso para dizer que a procissão ainda vai no adro.

CMVM investiga insider trading

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários está a analisar a hipótese de ter havido negociação de ações da EDP ou da EDP Renováveis com base em informações prévias sobre a OPA, que seria anunciada pela China Three Gorges. Fonte oficial do regulador afirma que o procedimento "segue a norma", mas o certo é a notícia desta oferta saiu antes no site do Expresso. Só na noite de sexta-feira foi publicado o anúncio no site da CMVM. As ações da EDP fecharam a subir 0,75% no dia 11, sexta-feira, depois de terem estado a cair 2,8% durante a sessão.

Ler mais

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.