António Domingues demitiu-se da Caixa Geral de Depósitos

Governo confirma oficialmente a saída do presidente da CGD. Presidente fica em funções até ao final de dezembro

O presidente da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, demitiu-se.

A demissão foi esta tarde confirmada pelo Ministério das Finanças, em comunicado enviado às redações.

A renúncia ao cargo, segundo o comunicado, "só produzirá efeitos no final do mês de dezembro".

Não é esclarecido, no entanto, se os restantes membros da administração do banco público seguem o exemplo de António Domingues ou se permanecem na CGD.

O Ministério das Finanças apenas adianta que "muito brevemente será designada (...) uma personalidade para o exercício de funções como presidente do CA [Conselho de Administração] da CGD, que dê continuidade aos planos de negócios e de recapitalização já aprovados.

Ao que o DN apurou, Domingues apresentou a sua demissão ao presidente do conselho fiscal, Guilherme d'Oliveira Martins, que por sua vez a comunicou ao governo. (Informação retificada às 21:05)

Esta tarde, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, tinha sublinhado que "é uma prioridade nacional a estabilização e a consolidação do sistema financeiro português", mas admitiu que este processo será complicado, porque quando menos se espera "surgem obstáculos".

"Aparecem contratempos, os mais inesperados? Aparecem", pergunta e respondeu o Presidente da República, enumerando que esses contratempos podem aparecer "uns dias de manhã", "outros dias à tarde", "outros à noite", ou "à noitinha".

Pelo que, fez questão de acrescentar, o que importa é que no dia seguinte é preciso "acordar e continuar o caminho, com determinação".

Domingues e a restante administração da CGD têm estado nas últimas semanas envolvidos em intensa controvérsia relativamente à obrigatoriedade de entrega da declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional por assumirem cargos de gestão numa entidade cujos capitais são totalmente públicos.

A Caixa Geral de Depósitos está em vésperas de um importante processo de recapitalização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.