António Domingues demitiu-se da Caixa Geral de Depósitos

Governo confirma oficialmente a saída do presidente da CGD. Presidente fica em funções até ao final de dezembro

O presidente da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, demitiu-se.

A demissão foi esta tarde confirmada pelo Ministério das Finanças, em comunicado enviado às redações.

A renúncia ao cargo, segundo o comunicado, "só produzirá efeitos no final do mês de dezembro".

Não é esclarecido, no entanto, se os restantes membros da administração do banco público seguem o exemplo de António Domingues ou se permanecem na CGD.

O Ministério das Finanças apenas adianta que "muito brevemente será designada (...) uma personalidade para o exercício de funções como presidente do CA [Conselho de Administração] da CGD, que dê continuidade aos planos de negócios e de recapitalização já aprovados.

Ao que o DN apurou, Domingues apresentou a sua demissão ao presidente do conselho fiscal, Guilherme d'Oliveira Martins, que por sua vez a comunicou ao governo. (Informação retificada às 21:05)

Esta tarde, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, tinha sublinhado que "é uma prioridade nacional a estabilização e a consolidação do sistema financeiro português", mas admitiu que este processo será complicado, porque quando menos se espera "surgem obstáculos".

"Aparecem contratempos, os mais inesperados? Aparecem", pergunta e respondeu o Presidente da República, enumerando que esses contratempos podem aparecer "uns dias de manhã", "outros dias à tarde", "outros à noite", ou "à noitinha".

Pelo que, fez questão de acrescentar, o que importa é que no dia seguinte é preciso "acordar e continuar o caminho, com determinação".

Domingues e a restante administração da CGD têm estado nas últimas semanas envolvidos em intensa controvérsia relativamente à obrigatoriedade de entrega da declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional por assumirem cargos de gestão numa entidade cujos capitais são totalmente públicos.

A Caixa Geral de Depósitos está em vésperas de um importante processo de recapitalização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...