Angolanos só vão poder enviar 1.000 euros mensais a familiares

Despesas relacionadas com saúde e educação "não estão sujeitas a limites"

As famílias angolanas com dependentes no exterior do país vão passar a estar limitadas, a partir de 1 de julho, ao envio de até 1.000 euros, em divisas, de ajuda familiar, determinou o Banco Nacional de Angola (BNA).

A decisão consta do instrutivo 6/2018, sobre "limites de operações cambiais de ajuda familiar", assinado pelo governador do BNA, José de Lima Massano, e com data de 19 de junho, enviada entretanto aos bancos comerciais angolanos.

O documento, ao qual a Lusa teve hoje acesso, determina o limite de venda mensal de 1.000 euros, por parte dos bancos comerciais, "por beneficiário" e "especificamente para ajuda familiar".

O limite mensal por ordenador "não deverá exceder os 2.500 euros", no caso de vários dependentes no estrangeiro, refere também.

Devido às restrições no acesso a divisas em Angola e à crise económica, financeira e cambial provocada pela quebra nas receitas petrolíferas, chegou a ser equacionado um limite de 500 euros mensais para este tipo de transferências, mas que foi fortemente criticado no país nos últimos meses.

O mesmo instrutivo estabelece que as despesas relacionadas com saúde e educação "não estão sujeitas a limites", mas apenas "quando pagas diretamente aos estabelecimentos prestadores desses serviços".

No documento, a medida é justificada pelo BNA com "a necessidade de se conferir maior segurança e previsibilidade ao acesso à moeda estrangeira disponível, para o maior número possível de cidadãos residentes cambiais que dela necessitam para a manutenção de dependentes no exterior do país".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.