Mulher de sobrinho-bisneto de Gulbenkian acusada de usar o nome em fraude

Angela Gulbenkian, uma corretora de arte, ficou com os bens congelados depois de ser acusada de fraude na venda de uma escultura por 1,2 milhões

Uma corretora de arte e esposa do sobrinho bisneto de Calouste Gulbenkian está a ser acusada de fraude, na venda de uma escultura por 1,2 milhões de euros, que nunca foi entregue ao comprador.

Angela Gulbenkian é suspeita de, alegadamente, usar o nome do magnata para iludir clientes nos negócios em que é intermediária, noticiou a Bloomberg.

Mathieu Ticolat, um consultor de arte baseado em Hong Kong, comprou a Angela uma escultura escultura de Yayoi Kusama. Mas a peça de arte - uma famosa escultura de abóbora -, nunca chegou.

O consultor de arte esteve meses a tentar resolver a situação e chegou a fazer ameaças até que decidiu avançar com um processo, pedindo o congelamento dos bens de Angela, o que foi confirmado pelo juíz do caso que corre na justiça inglesa.

"Fui enganado pelo nome", disse o queixoso.

Angela afirmou ao comprador que era representante de um vendedor anónimo. Foram feitas duas transferências em abril e maio de 2017 para a conta da corretora no HSBC em Londres.

Mas a escultura foi vendida a outra pessoa no final de 2017. Contudo, Angela continuou a afirmar que estava a tentar obtê-la para Ticolat, segundo documentos no processo.

À Bloomberg, a corretora de arte disse estar surpreendida com o processo e ofereceu-se para conseguir que o vendedor entre a escultura antes do julgamento.

O caso acaba por mostrar como funciona o mercado de arte a nível mundial, que vale 55 mil milhões de euros, no qual muitas pessoas não fazem a menor ideia com quem estão a negociar, ou pelo menos quais as ligações da pessoa.

"As pessoas estão a comprar arte cara e não pesquisam sobre quem são os vendedores", disse Christopher Marinello, presidente executivo da Art Recovery Internacional, uma empresa especializada em casos de recuperação de arte e que está a assessorar o queixoso no processo contra Angela.

Sem ligação à Fundação

Gulbenkian é um nome associado a arte, cultura e riqueza. O nome de Calouste Gulbenkian continua bem vivo através da fundação privada de 3,6 mil milhões de euros, cuja sede é em Lisboa, e no seu museu.

Por isso, não é de estranhar que Angela Gulbenkian, tenha mergulhado no milionário mundo de arte europeu. Tem sido intermediária em negócios de milhões e tem sido fotografada em eventos ao lado de artistas famosos.

Natural de Munique, na Alemanha, Angela Maria Ischwang casou com Duarte Gulbenkian, agente da Federação Internacional de Futebol (FIFA) e dono da LXG Sports, depois de se ter mudado para Londres em 2000, e passou a usar o nome.

Os documentos que deram entrada na Justiça, bem como entrevistas a pessoas conhecidas de Gulbenkian, indicam que muitos acreditavam que Angela estava ligada às duas instituições portugueses que têm Gulbenkian no nome. Só que tal não é o caso.

"Angela Gulbenkian é uma colecionadora de arte muito respeitada", disse Astrid-Caroline Cole, uma vendedora de arte em Londres. Afirma que vendeu várias peças de arte a Angela. "Ela tem um museu e uma fundação em Portugal", afirmou. E sugeriu ao jornalista da Bloomberg: "faz Google aos museus Gulbenkian!"

Mas a Fundação Calouste Gulbenkian, que gere o Museu, afirma que não existe qualquer ligação com a corretora de arte. "Angela Gulbenkian não tem qualquer relação com a Fundação e, pelo que sabemos, é casada com um membro da família Gulbenkian que não é descendente direto do nosso fundador ", afirmou Elisabete Caramelo, porta-voz da Fundação.

Numa entrevista ao Jornal de Negócios, em 2017, a corretora de arte afirmava que tinha vários projetos para Lisboa mas que não queria ter um cargo na Fundação nem interferir na gestão diária da mesma. "Não quero criar conflitos. Estou aqui pelo amor à arte", disse na altura. Também o marido, não pretendia interferir com a Fundação.

A viver em Lisboa, Angela afirmou nessa entrevista, que teve lugar nos jardins da Fundação, que imaginava ali esculturas em forma de abóbora de Kusuma.

Elisabete Tavares é jornalista do Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)