CP tira comboio aos turistas para viagem do PS

Comboio turístico MiraDouro foi surprimido por falta de material para puxar as carruagens. Locomotiva Diesel será usada no comboio para o PS.

Dinheiro Vivo

A CP suprimiu este sábado o comboio turístico MiraDouro para poder realizar o comboio especial que transporta os militantes do PS entre Pinhal Novo e Caminha. A informação foi confirmada pelo Dinheiro Vivo junto da comissão de trabalhadores da IP - Infraestruturas de Portugal, a empresa que gere a rede ferroviária nacional.

"Devido à falta de material, o comboio MiraDouro (21811), com saída de Porto-São Bento às 9h25, foi suprimido. Como a CP tem várias locomotivas a Diesel avariadas, a empresa optou por suprimir este comboio porque esta locomotiva será utilizada num serviço especial no período da tarde", adiantou Fernando Semblano, porta-voz da comissão de trabalhadores da IP.

Através da página da Infraestruturas de Portugal, é possível conferir que o comboio 21811 foi suprimido este sábado. E o mesmo sucede com o comboio 21812, que deveria fazer o percurso de regresso, entre Régua e Porto-São Bento.

O único comboio especial que a CP tem agendado para hoje é a viagem dos militantes do PS entre Pinhal Novo e Caminha, segundo foi possível apurar. A locomotiva Diesel utilizada no comboio MiraDouro será utilizada a partir da estação de Porto-Campanhã, pelas 13h21, até à estação de Caminha.

O comboio MiraDouro é um comboio turístico que circula diariamente, de julho a setembro, entre as estações de Porto-São Bento e Régua. A locomotiva Diesel é utilizada para fazer mexer as "carruagens produzidas na década de 40 pela fabricante suíça Schindler e colocadas ao serviço na rede ferroviária nacional entre 1949 e 1977", refere a CP na página que promove este serviço turístico. Uma viagem neste comboio pode custar entre 3,10 e 9,90 euros.

A comissão de trabalhadores da CP lamenta este episódio: "Seja em caso algum, os comboios de horário, em que os passageiros compram o seu bilhete, não devem ser suprimidos em detrimento seja do que for", comentou o porta-voz, José Reizinho.

O Dinheiro Vivo está a tentar obter mais esclarecimentos junto de fonte oficial da CP, mas ainda não obteve qualquer comentário.

A CP aceitou realizar um comboio especial para transportar os militantes do PS para a festa de Verão do partido de António Costa numa altura em que a empresa se debate com a falta de material para conseguir realizar o serviço regular de passageiros. Ao longo deste ano, a empresa pública já recusou realizar este serviço, por exemplo, para os adeptos e sócios do Benfica que se deslocavam de comboio para o Estádio da Luz.

O aluguer deste comboio gerou polémica junto dos partidos, com o CDS-PP na linha da frente dos protestos. Os centristas vão mesmo questionar, na segunda-feira, o Ministério do Planeamento sobre o desvio de comboios do serviço regular para este serviço especial. "Não somos contra o fretamento de serviços fora do serviço regular. Mas estas situações não podem pôr em causa o serviço normal da CP", refere o deputado Hélder Amaral em declarações ao Dinheiro Vivo. O partido vai recorrer ao mecanismo parlamentar de perguntas ao Governo. O CDS-PP quer confirmar junto do gabinete de Pedro Marques se o PS "teve ou não tratamento privilegiado por parte da CP nas condições de fretamento do comboio especial" e "é ou não verdade que esse serviço obrigou ao suprimento de outros comboios e/ou serviços". (Notícia atualizada às 16h19 com pedido de esclarecimento do CDS-PP)

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia