Câmara de Lisboa sorteia apartamentos para a classe média

Prédios da Segurança Social nas freguesias do Areeiro, Avenidas Novas, Alvalade e Santo António vão ser convertidos em casas de habitação. As rendas podem ir dos 200 aos 600 euros

Lina Santos
Alguns imóveis que vão ser convertidos em habitação situam-se na Avenida da República, em Lisboa© Leonardo Negrão/ Global Imagens

O Ministério do Trabalho e Segurança Social e Câmara Municipal de Lisboa assinam esta segunda-feira um acordo de cedência de onze prédios para arrendamento a preços abaixo do valor de mercado.

São 500 os fogos que vão ser cedidos pelo ministério à autarquia, de acordo com a TSF. Dos onze prédios que agora vão ser convertidos em habitação, 250 serão apartamentos - de T0 a T4 - e haverá também 226 quartos para estudantes numa residência para estudantes na Alameda D. Afonso Henriques (183 quartos duplos e 43 simples).

As casas destinam-se a famílias com rendimentos médios e serão entregues por concurso, segundo o presidente da câmara municipal de Lisboa. Para candidatar-se, as famílias terão de ter um esforço com a renda que não ultrapasse os 30% dos seus rendimentos. Os valores deverão situar-se entre os 200 e os 600 euros.

As casas situam-se "em zonas muito centrais e nobres", diz Fernando Medina. "Vai ajudar muito nesta crise de habitação", referiu o autarca à TSF. A entrega dos apartamentos deverá acontecer em 2019 e 2020.

Usados agora como escritórios pelo Ministério do Trabalho e Segurança Social, os prédios vão sofrer obras de adaptação no valor de 23 milhões de euros para serem usados como habitação. Situam-se em quatro freguesias da cidade:

- Freguesia de Santo António

Rua Rosa Araújo, nº 43 - Torneja Rua Mouzinho Silveira, nº 3B

Freguesia das Avenidas Novas

Av. Visconde Valmor, nº 48 a 48B

- Freguesia do Areeiro

Alameda D. Afonso Henriques, nº 82 - 82A

Av. Manuel da Maia, nº 40 a 40D

Av. da República, nº 4

Av. Estados Unidos América, nº 39 - 39 A

- Freguesia de Alvalade

Av. Estados Unidos América, nº 37

Av. da República nº 102

Av. da República nº 106

Av. da República nº 100

Campo Grande nº 6, 6A, 6B e Rua Entrecampos nº 57

Os serviços da Segurança Social que funcionavam nestes onze imóveis serão centralizados num edifício na 5 de outubro que foi adquirido em junho.