Amazon acusada de ajudar clientes a comprar componentes de bombas artesanais

Segundo uma investigação britânica, o algoritmo do site da Amazon ajuda a encontrar mais facilmente itens que podem ser usados para fazer explosivos

O gigante de compras online Amazon informou esta quarta-feira que vai rever o algoritmo no site, após ter sido acusado de ajudar os clientes a construírem bombas artesanais. Tudo porque este algoritmo sugeria aos clientes, quando compravam determinados produtos, que "completassem" a compra com outros componentes adequados para fazer uma bomba artesanal, nas secções "frequentemente comprados juntos" e "clientes que compraram este produto também compraram".

Segundo uma investigação do canal britânico Channel 4 News, o algoritmo do site da Amazon ajuda a encontrar mais facilmente itens que podem ser usados para fazer explosivos. Quando o cliente compra um destes produtos, o site sugere imediatamente outros que podem ser usados para o mesmo fim, explica a Reuters.

A denúncia surgiu depois de uma bomba artesanal ter sido detonada no metro de Londres na semana passada, provocando 30 feridos.

Os componentes para construir uma bomba artesanal são todos de venda legal e podem ser usados no dia-a-dia, mas juntos tornam-se perigosos. Químicos, rolamentos, sistemas de ignição e detonadores remotos são alguns dos itens que surgem nas secções "produtos frequentemente comprados juntos" ou "clientes que compraram este produto também compraram" da Amazon.

Segundo Owen Miller, ex-engenheiro informático da Amazon, seria necessário que "um número significativo" de pessoas comprasse estes produtos juntos para o algoritmo começar a sugeri-los a outros clientes.

"Se poucas pessoas comprarem blocos de notas post-it e sapatos azuis isso não vai aparecer nas recomendações", explicou Miller à BBC. O algoritmo é "definido por probabilidades".

Vários internautas têm criticado a Amazon nas redes sociais, enquanto outros defendem que é pouco provável que as pessoas que planeiam fazer bombas comprem os produtos online, porque podem ser facilmente detetados.

Num comunicado, a Amazon disse que apenas vende produtos "que cumprem as normas britânicas" e que, "à luz dos acontecimentos recentes", vai "rever o site para garantir que todos os produtos são apresentados de uma forma apropriada".

A Amazon diz ainda que vai trabalhar com a polícia e as autoridades sempre que seja necessário e possa "ajudar em investigações".

A explosão no metro de Londres, que fez 30 feridos na semana passada, foi provocada uma bomba artesanal. O explosivo estava dentro de um saco de plástico do supermercado Lidl com um balde dentro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)