Amazon acusada de ajudar clientes a comprar componentes de bombas artesanais

Segundo uma investigação britânica, o algoritmo do site da Amazon ajuda a encontrar mais facilmente itens que podem ser usados para fazer explosivos

O gigante de compras online Amazon informou esta quarta-feira que vai rever o algoritmo no site, após ter sido acusado de ajudar os clientes a construírem bombas artesanais. Tudo porque este algoritmo sugeria aos clientes, quando compravam determinados produtos, que "completassem" a compra com outros componentes adequados para fazer uma bomba artesanal, nas secções "frequentemente comprados juntos" e "clientes que compraram este produto também compraram".

Segundo uma investigação do canal britânico Channel 4 News, o algoritmo do site da Amazon ajuda a encontrar mais facilmente itens que podem ser usados para fazer explosivos. Quando o cliente compra um destes produtos, o site sugere imediatamente outros que podem ser usados para o mesmo fim, explica a Reuters.

A denúncia surgiu depois de uma bomba artesanal ter sido detonada no metro de Londres na semana passada, provocando 30 feridos.

Os componentes para construir uma bomba artesanal são todos de venda legal e podem ser usados no dia-a-dia, mas juntos tornam-se perigosos. Químicos, rolamentos, sistemas de ignição e detonadores remotos são alguns dos itens que surgem nas secções "produtos frequentemente comprados juntos" ou "clientes que compraram este produto também compraram" da Amazon.

Segundo Owen Miller, ex-engenheiro informático da Amazon, seria necessário que "um número significativo" de pessoas comprasse estes produtos juntos para o algoritmo começar a sugeri-los a outros clientes.

"Se poucas pessoas comprarem blocos de notas post-it e sapatos azuis isso não vai aparecer nas recomendações", explicou Miller à BBC. O algoritmo é "definido por probabilidades".

Vários internautas têm criticado a Amazon nas redes sociais, enquanto outros defendem que é pouco provável que as pessoas que planeiam fazer bombas comprem os produtos online, porque podem ser facilmente detetados.

Num comunicado, a Amazon disse que apenas vende produtos "que cumprem as normas britânicas" e que, "à luz dos acontecimentos recentes", vai "rever o site para garantir que todos os produtos são apresentados de uma forma apropriada".

A Amazon diz ainda que vai trabalhar com a polícia e as autoridades sempre que seja necessário e possa "ajudar em investigações".

A explosão no metro de Londres, que fez 30 feridos na semana passada, foi provocada uma bomba artesanal. O explosivo estava dentro de um saco de plástico do supermercado Lidl com um balde dentro.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.