Altice não se opõe à entrada do Estado no SIRESP

Continuação da entrevista a Alexandre Fonseca, CEO da Altice, sobre o SIRESP

Nos incêndios do último ano arderam 3800 quilómetros de cabo e 45 mil postes da Altice Portugal. Foram investidos "20 milhões de euros na reposição das infraestruturas destruídas". Hoje os portugueses querem saber se o SIRESP, sistema de comunicações, voltará a falhar. Começamos por aí a última parte desta entrevista ao CEO da Altice.

Está em condições de garantir aos portugueses que o SIRESP neste ano não vai falhar?

Acho que, mais uma vez, só um gestor completamente irrefletido é que é capaz de dizer algures na sua vida profissional que uma qualquer rede não vai falhar. Isso não existe. Não existem redes que sejam à prova de falha, vemos serviços que são, como costuma dizer-se, mission critical, como é o caso por exemplo da aviação, em que, infelizmente, sabemos que às vezes acontecem acidentes que decorrem de falhas técnicas. Por isso não vou aqui fazer uma afirmação leviana dessa natureza. O que vou dizer é que, primeiro, a rede SIRESP sempre cumpriu com todos os critérios de qualidade de serviço que estavam contratados. Todos. Vou repetir, desde o início da sua operação que a rede SIRESP tem cumprido de forma escrupulosa e integral todos os níveis de serviço que estão previstos contratualmente.

Não foi essa a sensação com que ficaram os portugueses ao ver a rede falhar durante os grandes incêndios...

Certo. Repare, não podemos pedir a uma rede que responda a algo para que não foi desenhada. Se nós entendemos que precisamos de um camião para fazer as mudanças da nossa casa e põem à nossa disposição uma bicicleta, temos de trabalhar com a bicicleta... Aquilo que quero dizer é muito simples, a rede SIRESP tinha uma especificação, tinha um desenho técnico, estava preparada para uma determinada capacidade, tinha um conjunto de mecanismos de proteção. Para aquilo que foi desenhada, a rede cumpriu na íntegra todos os níveis de qualidade. Se estava desenhada para responder àquilo que aconteceu extraordinariamente neste verão, aparentemente não. Mas não foi a Altice Portugal nem sequer a SIRESP SA que desenharam a rede SIRESP. A rede foi alvo de um concurso público, com caderno de encargos e com um contrato, temos de, mais uma vez, remeter esta situação para o mundo empresarial porque é disto que estamos a falar. O que se verificou é que a rede SIRESP efetivamente não foi capaz de lidar com um conjunto de eventos para o qual não estava desenhada. Se temos grupos de conversação, com bombeiros, polícia, Proteção Civil, que estão ligados a uma determinada antena, e se temos uma antena que está desenhada para 20 ligações e temos 120 ligações na mesma antena, é claro que não vai funcionar.

Então o sistema está caduco para as necessidades atuais?

Não, não está caduco. Aliás, o sistema SIRESP baseia-se numa tecnologia que é reconhecida pela Comissão Europeia. E é pena que alguns dos estudos independentes e das comissões independentes que foram criados não tenham olhado para documentos que são públicos, estão no site da comissão e que dizem que as redes Tetra ou Tetrapol, que é a tecnologia que está subjacente, são as redes adequadas e mais bem preparadas para redes de emergência nacional. As redes abertas de 4G e de 5G estarão dentro de alguns anos, fala-se numa década, eventualmente preparadas para este tipo de ligações, mas à data de hoje a melhor tecnologia recomendada pela própria Comissão Europeia para este tipo de ligações são as redes Tetra ou Tetrapol. Não há qualquer problema de obsolescência ou de caducidade...

Então que transformações é que são necessárias para que seja eficaz?

Em relação ao futuro, o que acontece é que - como foi anunciado oportunamente pelo governo - foi decido dotar a rede SIRESP daquilo que se chama redundância, isto só por si já é inequívoco sobre um fator: a rede não tinha redundância por definição, por contrato... Isto é a mesma coisa do que irmos no nosso carro, termos um furo e não termos pneu suplente e depois vamos criticar o fabricante do automóvel porque o carro não tinha pneu suplente. Que foi alguém que escolheu que o carro não tinha pneu suplente, ninguém lho foi lá tirar. Nesta perspetiva, aquilo que foi decidido foi implementar mecanismos de redundância em dois níveis - a nível energético, fornecimento de energia, e também de redundância de transmissão, de comunicações. Mais uma vez, o Estado olhou para a Alice Portugal, a SIRESP olhou para a Altice Portugal como o único operador em Portugal com capacidade para poder prestar este tipo de serviços. Nessa perspetiva adjudicou-nos a prestação destes serviços de redundância em 450 antenas em Portugal continental. Está neste momento a ser implementado um sistema de comunicação via satélite que irá permitir em caso de interrupção dos meios de comunicação, vamos chamar-se tradicionais, dos cabos de fibra ótica que estão a ligar as antenas, automaticamente comutar a comunicação para ambiente satélite. Este é o exemplo de alguns mecanismos que estão a ser implementados na SIRESP para melhorar os níveis de redundância e de resiliência da rede.

E vai estar tudo pronto a tempo?

Uma parte importante da rede estará implementada até ao início da fase Charlie, mais de 300 antenas aproximadamente das 450, portanto dois terços estarão implementadas até essa data e esses dois terços foram escolhidos de acordo com critérios de perigosidade e de probabilidade de incidência de incêndios e isso foi definidos pela Proteção Civil e por quem faz a gestão da rede, que não é a Altice Portugal.

O governo manifestou intenção de fazer o Estado entrar no capital do SIRESP, tornando-se assim o acionista maioritário. Faz sentido? A Altice tem alguma coisa a opor?

Bem, começando pelo fim, a Altice tem 30% da sociedade SIRESP SA, é um acionista de referência mas não é o maior acionista e também, já agora, não é a SIRESP, porque muita gente confunde e diz que a SIRESP é a Altice. Não, não é. A Altice Portugal nem sequer é o maior acionista da SIRESP SA. Nessa perspetiva, somos acionista minoritário e não temos nada a opor contra nenhuma alteração societária que nos tenha sido apresentada até ao momento. Sobre o racional da entrada do governo, bem, se eu não me pronuncio sobre os negócios do grupo Altice, muito menos vou pronunciar-me sobre temas políticos, porque não é, de facto, a minha área de competência. Nós não nos vamos opor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.