Altice não apresenta novos remédios para comprar TVI

Compromissos apresentados para avançar negócio de 440 milhões foram chumbados pela Autoridade da Concorrência e a Altice não muda uma linha na proposta

A Altice já reagiu ao chumbo pela Autoridade da Concorrência (AdC) dos compromissos apresentados para garantir luz verde à compra da Media Capital. A operadora defende que são "razoáveis" e, apesar de manter "todo o interesse" na compra da TVI, não "está disponível" para apresentar novos. O grupo dono do Meo viu as ações recuar 5,09%. Já a Prisa, dona da Media Capital, caiu 3,35%. O grupo espanhol não comenta a decisão do regulador liderado por Margarida Matos Rosa.

Apanhada de surpresa, diz a Altice Portugal. A notícia surgiu "no momento em que os advogados e um membro do conselho de administração estavam numa reunião com os serviços técnicos da Autoridade da Concorrência".

A operadora de telecomunicações "estranha" ainda que "tenham sido suprimidas e ultrapassadas fases do processo formal, nomeadamente o período de discussão com os serviços técnicos e a discussão com a notificante antes da divulgação pública da comunicação relativa aos compromissos". Acusações que fonte oficial da Autoridade da Concorrência não comenta.

A empresa de capitais franceses mostra-se ainda surpreendida com a decisão do regulador relativamente aos oito compromissos apresentados a 30 de abril. São "razoáveis" e "em linha com as melhores práticas de mercado e de outras autoridades europeias em transações similares", defende.

Autonomizar os vários negócios - distribuição de canais, conteúdos, publicidade e TDT - em empresas distintas; implementar a oferta regulada de acesso à plataforma de TV paga da Meo, e a quaisquer outras plataformas de TV, por um período entre 5 e 10 anos; a não exclusividade dos canais e novos canais nas plataformas da Meo; a não limitação do acesso aos serviços de operadores de televisão concorrentes que, salvo exceções, estarão nas primeiras oito posições dos alinhamentos dos canais; a criação de uma figura independente - a que chamam de mandatário de monitorização - a quem os concorrentes podem recorrer em caso de incumprimento foram alguns dos compromissos apresentados.

Mas que não passaram no crivo do regulador que considerou que sofriam de insuficientes especificações, apresentavam riscos de monitorização, de eventual incumprimento, bem como de distorção de mercado.

Para a Autoridade da Concorrência, os compromissos para dar OK ao negócio que vai colocar nas mãos do dono do segundo maior operador de TV paga, o Meo, a estação generalista líder de audiências, a TVI, não protegem os direitos dos consumidores nem garantem a concorrência no mercado.

Perante esta decisão, uma eventual resposta da Altice poderia ser a apresentação de novos compromissos. Mas a Altice já veio rejeitar essa opção: não está "disponível para apresentar quaisquer outros, pois se assim procedesse desvirtuaria os pressupostos do processo que dura já há um ano".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?