altice FORUM braga. Um milhão, três anos e o sonho como limite

Altice, InvestBraga e Município assinam parceria de três anos, com investimento mínimo da operadora de um milhão de euros, para se abrir a um mercado de seis milhões de pessoas

O Fórum Braga abriu portas há cinco meses e (o nome) morreu esta segunda-feira. Porque nasceu um muito ambicioso altice FORUM braga (graficamente, é assim a imagem: altice e braga em minúsculas; FORUM em maiúsculas), ou seja, foi assinado o acordo de naming rights avançado pelo DN na edição do dia desta segunda-feira. A operadora investe um milhão de euros em tecnologia/bilhética e comunicação nos canais próprios de marketing. Braga cola-se ao prestígio da 17.ª operadora mundial no campeonato dos grandes a nível do acolhimento do entretenimento de massas e dos eventos de negócios para estabelecer "o sonho como limite". Ou seja, a capital do Minho quer ser o contrapeso, e parceira recebendo alguns dos espetáculos que lá se realizarem, da Altice Arena no norte, Galiza e arredores para lucrar o mais possível com o turismo de negócios e do entretenimento.

"Nos três anos do acordo, o investimento será no mínimo de um milhão de euros, entre as três vertentes anunciadas", explicou Alexandre Fonseca, presidente do Conselho de Administração da Altice Portugal, fechando um périplo pela zona norte com a vontade de "dinamizar a vida cultural, social e económica da cidade mais jovem de Portugal e uma das mais jovens da Europa".

"Foram mais de seis meses de negociações, mas valeu a pena. Agora estamos capacitados para receber iniciativas de outra dimensão, porque a Altice é parceira de eventos como o Festival da Eurovisão e da Web Summit", sublinhou Carlos Oliveira, presidente do Conselho de administração da InvestBraga, a agência pública municipal de dinamização económica da Câmara Municipal de Braga. "Não faz sentido que num país com pouco mais de 700 quilómetros de extensão, ainda haja pessoas que têm de fazer 800 quilómetros para ver um concerto", junta o presidente da Altice Portugal.

"Braga entra no mapa do país mostrando que há outras alavancas fora das grandes áreas urbanas", referiu o edil Ricardo Rio, explicando que os três anos do acordo foram ajustados pelo que resta do mandato ("não fazia sentido de outra forma"), que termina em 2021, mas deixou entender que há vontade mútua de o prolongar - os resultados, eleitorais e dos negócios Altice - Município de Braga determinarão a possibilidade desse prolongamento.

Rio que tentou alinhar o município com Porto e Lisboa. "A inovação e sofisticação tecnológica são valores da Altice que encaixam com a imagem de Braga. Há muito trabalho a fazer que vai além do FORUM, porque Braga é hoje um polo de negócios tecnológicos. E torna-se muito especial para Braga esta parceria porque, se já nos tínhamos posicionado para receber o Festival da Eurovisão [que acabou na Altice Arena, em Lisboa], agora o sonho é o limite" no que toca à organização "de eventos de grande dimensão mundial e nacional". A boleia é dada pela Altice, que "inicia outra dimensão porque já é parceira do Festival da Eurovisão e Web Summit".

Rio lembra que Braga olha não só para o norte. "Pela nossa posição, é bom lembrar que estamos numa situação privilegiada na Euroregião com a Galiza. É um mercado de seis milhões de pessoas", atirou o autarca.

Poder de argumentação

"Se antes fôssemos a um grande promotor de espetáculos dizer que podíamos realizar aqui um concerto para dez mil pessoas, não acreditavam. Mas este acordo permite-nos demonstrar, com a tecnologia de que vamos beneficiar e com a plataforma de bilhética e capacidade de distribuição da Altice, que somos capazes, como o prova o concerto do dia 11 [terça-feira] com os Thirty Seconds to Mars em que teremos mais de dez mil pessoas", desfiou Carlos Oliveira. Este concerto finaliza o dia em que é inaugurado oficialmente o altice FORUM brena, que terá a visita do Presidente da República - Marcelo Rebelo de Sousa passará pelo espaço entre as 15:30 e as 16:00.

Ricardo Rio esclareceu que não vai haver um programador dedicado à agenda do FORUM, ficando esse papel a cargo da InvestBraga, mas avançou que os responsáveis pelos espaços culturais da cidade, como o GNRation e o Theatro Circo, vão poder agora pensar numa escala maior - até 12 mil pessoas de pé no pavilhão e mais de 20 mil pessoas no espaço para concertos no exterior.

Alexandre Fonseca defendeu a estratégia de proximidade da Altice. "Há muita gente a falar de Lisboa e pouca a vir ao terreno. Hoje, nós estamos aqui com todo o Conselho de Administração para conhecer o terreno. A Altice está literalmente a percorrer Portugal de lés a lés, incluindo as regiões autónomas da Madeira e dos Açores", avisou. E, exemplificando, prometeu: "Até final de setembro, no maciço central da Serra da Estrela, 75% da população de seis concelhos terá acesso à tecnologia da Altice. Em 2020, Portugal será o primeiro país da Europa com uma cobertura de fibra ótica a 100%."

E manteve a tónica na aposta em cultura, eventos de negócios e desporto (todos eles valências do FORUM). "Apoiamos o surf, o golfe, o ténis e o futebol. No futebol são conhecidas as parcerias com o FC Porto e a seleção nacional, mas queria destacar que recentemente alargámos o apoio às seleções jovens, até aos sub-16, e à seleção feminina".

E voltou a Braga. "É um ícone de criação de valor e nós estamos empenhados em ajudar e potenciar o desenvolvimento económico que está a acontecer em Braga", comprometeu-se, piscando o olho "ao há mais trabalho a fazer além do FORUM" lançado por Ricardo Rio.

Pretexto para revelar a visão de Carlos Oliveira quanto aos efeitos indiretos do FORUM no tecido económico da cidade e do concelho. "Temos tido eventos que esgotam a capacidade hoteleira. Indiretamente, o FORUM vai ajudar a criar mais postos de trabalho na hotelaria e restauração", projetou o engenheiro que gere a InvestBraga.

O FORUM abriu as portas a 29 de Abril após um processo de reconstrução que custou mais de nove milhões de euros e já recebeu mais de 40 eventos, num total superior a 100 mil visitantes. Este "será, definitivamente, o maior investimento do município neste ciclo autárquico", assumiu Ricardo Rio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.