Altice arrisca multa até 2,3 mil milhões por apressar compra da PT

E-mail enviado a diretor da PT Portugal antes de OK de Bruxelas à compra poderá ditar multa até 10% das receitas anuais a nível global da Altice.

Michel Combes, então CEO da Altice, dizia, em maio do ano passado, ser "clarinho como a água" que a investigação de Bruxelas à compra da PT Portugal não iria dar problemas; agora, o grupo dono do Meo arrisca uma multa de até 2,3 mil milhões de euros. Bruxelas deverá mesmo multar a Altice com mão pesada por ter concluído a compra da operadora portuguesa antes de obter luz verde das autoridades de concorrência europeias. A Altice não comenta. Nem a Direção-Geral da Concorrência. "Não fazemos comentário sobre essa notícia: a nossa investigação ainda está a decorrer", adiantou fonte oficial ao DN/Dinheiro Vivo. A multa poderá chegar já na próxima semana, noticiou a Reuters.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.