Airbnb entregou à Câmara de Lisboa quase 5 milhões de euros em taxa turística

Airbnb é única plataforma a cobrar a taxa turística para a Câmara de Lisboa

A plataforma de alojamento Airbnb informou hoje que, desde 1 de maio de 2016, já entregou à Câmara de Lisboa quase cinco milhões de euros na cobrança de taxa turística.

Durante o ano de 2017, o valor alcançado foi de 3,1 milhões de euros, sendo a Airbnb a única plataforma a coletar a taxa turística (um euro por noite) para a Câmara Municipal de Lisboa.

Na sexta-feira, a empresa irá lançar uma nova ferramenta de registo de anúncios, reforçando a parceria com a comunidade Airbnb em Portugal ao trabalhar em cooperação com as autoridades locais.

"Queremos ser bons parceiros para Portugal e, por isso mesmo, estamos orgulhosos de introduzir esta ferramenta de registo e de ajudar as famílias locais a partilhar as suas casas e a seguir todas as regras. Estamos também cientes de que o alojamento local é um motor económico que ajuda os governos a aumentar as suas receitas fiscais e as comunidades. Os anfitriões querem pagar a sua justa parte de impostos e estamos muito satisfeitos por trabalhar com o governo para ajudá-los, ao mesmo tempo que continuamos a liderar esta indústria neste tema", refere em comunicado Arnaldo Muñoz, representante da Airbnb em Portugal.

A nova ferramenta, esclarece, irá tornar mais fácil, aos anfitriões, introduzir o seu número de registo de alojamento na página do seu anúncio, num incentivo ao cumprimento das regulamentações locais e, ao mesmo tempo, mantendo-os informados e atualizados sobre eventuais alterações às leis.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.