Administração da Media Capital considera oferta da Meo oportuna e com condições adequadas

A Meo anunciou uma oferta pública geral e obrigatória de aquisição, constituída pela totalidade das 84.513.180 ações representativas do capital social da Media Capital

O Conselho de Administração da Media Capital, que detém a TVI, considerou esta sexta-feira que a oferta pública geral e obrigatória de aquisição das ações do grupo, anunciada pela Meo, "é oportuna e que as respetivas condições são adequadas".

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo refere que "o Conselho de Administração da Media Capital considera que a oferta é oportuna e que as respetivas condições são adequadas".

A Meo, detida pela Altice, anunciou uma oferta pública geral e obrigatória de aquisição constituída pela totalidade das 84.513.180 ações representativas do capital social da Media Capital admitidas à negociação no mercado regulamentado.

O Conselho de Administração do grupo "considera que a oferta não é inoportuna", já que, no seu entender, "não afeta o normal desenvolvimento da Media Capital".

E salienta que foram analisadas avaliações relativas às condições financeiras da oferta que "permitem considerar que a contrapartida de 2,5546 euros por ação da Media Capital "se afigura adequada".

Porém, aponta que, "das 84.513.180 ações representativas do capital social da Media Capital admitidas à negociação no mercado regulamentado Euronext Lisbon (...), apenas 4.485.573 poderão ser objeto de aceitação por parte dos respetivos titulares".

É que a "VERTIX, SGPS, S.A., titular das ações compreendidas nesse intervalo (80.027.607) declarou a sua intenção de não aceitar a oferta", explica a Media Capital.

O seu Conselho de Administração "entende ainda como adequado um eventual aumento ou revisão em alta da contrapartida da oferta, encontrando-se num intervalo de valorização da sociedade visada que se considera razoável e apropriado", acrescenta a informação divulgada na CMVM.

Considera "positiva" a estratégia proposta, nomeadamente no que respeita "à manutenção e reforço da aposta na estratégia digital da TVI e a manutenção e reforço da política de investimento em conteúdos portugueses".

O Conselho de Administração defende ainda que o grupo deve "manter e conservar sempre a independência editorial dos órgãos de comunicação social sob a sua gestão, bem como, assim, a linha e estratégia editoriais que definem o estilo jornalístico e de comunicação seguido" pelo grupo e que o "distinguem" dos restantes órgãos de comunicação social, em Portugal.

Por outro lado, "está confiante de que a entrada da oferente no capital social do Grupo Media Capital terá um impacto positivo para os trabalhadores".

Em 14 de julho, o grupo Altice anunciou ter chegado a acordo com a Prisa para a compra da Media Capital SGPS, SA, que detém a TVI, por 440 milhões de euros.

Esta aquisição faz parte da estratégia global do grupo, que se manifestava disposto a oferecer mais conteúdos aos consumidores, apostando em produções e formatos locais.

"A integridade e independência editorial da Media Capital servirá de princípio norteador para os negócios de média da Altice", refere a nota divulgada aquando do anúncio da OPA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".