Adidas fecha lojas e aposta na duplicação de vendas online

Empresa está a contratar 200 funcionários para o digital

A Adidas vai apostar no encerramento de lojas e investir no comércio digital com o objetivo de duplicar as vendas online nos próximos dois anos, segundo o Financial Times.

Numa entrevista ao Financial Times divulgada no domingo no 'site', o presidente executivo da Adidas, Kasper Rorsted, afirma que o sítio da empresa na internet é "a loja mais importante" que têm em todo o mundo e, por isso, tem prioridade quando a empresa contrata, aloca recursos ou constrói infraestruturas.

A Adidas, presente em Portugal, está a contratar 200 funcionários para o digital e quer mais do que duplicar as receitas das vendas digitais para quatro mil milhões de euros até 2020, adianta o Financial Times, recordando que no ano passado, as vendas online do grupo subiram 57% para quase 1,6 mil milhões de euros.

Como parte dos esforços da empresa, a Adidas introduziu uma aplicação para 'smartphone' que permite aos clientes um elevado grau de personalização, que já foi lançada nos EUA, no Reino Unido e na Alemanha e deverá estar disponível brevemente em França, Espanha e Canadá, adianta.

"Há dez anos, as nossas lojas eram uma fonte de receita. No futuro, também serão uma fonte para a marca", considerou Kasper Rorsted.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.