Ações do grupo Fosun suspensas após presidente ter desaparecido

Guo Guangchang foi, alegadamente, detido à chegada a Xangai num voo proveniente de Hong Kong

As ações do grupo chinês Fosun, que em Portugal detém a seguradora Fidelidade e a Espírito Santo Saúde, estão hoje suspensas nas praças financeiras da China depois de o presidente da empresa ter sido dado como incontactável.

A imprensa chinesa avançou que o multimilionário Guo Guangchang foi detido pelas autoridades e que se desconhece se está a ser investigado ou a prestar assistência numa investigação.

Guo foi, alegadamente, detido à chegada a Xangai num voo proveniente de Hong Kong, escreve a agência oficial chinesa Xinhua.

Contactada hoje pela agência Lusa, fonte da empresa limitou-se a responder que o grupo manterá informados os meios de comunicação social à medida que houver novidades.

Com uma fortuna pessoal de 6,61 mil milhões de euros, Guo Guangchang é o 11.º homem mais rico da China, segundo dados publicados pela revista norte-americana Forbes.

Num comunicado publicado no 'site' oficial do Fosun e assinado pelo vice-presidente Liang Xinjun, a empresa informa que suspendeu temporariamente as negociações nas bolsas de Xangai, Hong Kong e Shenzhen, devido a "informações sensíveis".

As autoridades chinesas mantêm um apertado escrutínio sobre o setor financeiro do país desde que, entre meados de junho e o dia 09 de julho, a bolsa de Xangai desvalorizou 30%, depois de ter avançado 150% no espaço de um ano.

No dia 27 de novembro, a Haitong, que adquiriu o antigo banco de investimento português BESI (atual Haitong) suspendeu as negociações nas praças financeiras de Xangai e de Hong Kong, após notificação de que estaria a ser investigada pelo regulador devido a suspeitas de irregularidades nos contratos estabelecidos com os clientes e a prática de empréstimos com imposição de margens.

Em Portugal, além da Fidelidade e da Espírito Santo Saúde, reconvertida em Luz Saúde, o Fosun detém uma participação de 5,3% na REN e foi um dos candidatos à compra do Novo Banco, até as negociações terem sido suspensas pelo Banco de Portugal.

No último ano, segundo os dados compilados pela agência Bloomberg até julho, o gigante empresarial, dono do Club Mediterranee, anunciou 10 aquisições num total de 6,4 mil milhões de dólares (5,6 mil milhões de euros).

Mais de 10 mil milhões de euros em ações

O presidente do grupo chinês Fosun controla indiretamente mais de 10 mil milhões de euros nas praças financeiras chinesas, segundo a imprensa local.

De acordo com os media chineses, Guo Guangchang controla indiretamente 77 mil milhões de yuan em ações na China.

Proprietário de 58% dos títulos da Fosun International, um dos maiores grupos privados da China, com interesses nos setores turismo, saúde, farmácia, imobiliário e aço, Guo controla seis empresas na China e é acionista em outras 12.

Segundo a revista norte-americana Forbes, é o 11.º homem mais rico da China.

Em Portugal, o grupo detém a seguradora Fidelidade e a Espírito Santo Saúde, reconvertida em Luz Saúde, e uma participação de 5,3% na REN. Foi ainda um dos candidatos à compra do Novo Banco, até as negociações terem sido suspensas pelo Banco de Portugal.

Fosun, em chinês diz-se Fu Xing, evocando o local onde os quatro fundadores do grupo se formaram, no final da década de 1980 (a Universidade Fudan, em Xangai). O segundo caráter ("Xing") significa estrela.

No último ano, segundo os dados compilados pela agência Bloomberg até julho, o gigante empresarial, dono do Club Mediterranee, anunciou 10 aquisições num total de 6,4 mil milhões de dólares (5,6 mil milhões de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.