Ações da Renault afundam após presidente ter sido detido

Os títulos da construtora automóvel está a registar uma forte queda esta segunda-feira. Está a ser noticiado que Carlos Ghosn foi detido no Japão.

As ações da Renault estão a reagir em forte queda à notícia de que o presidente do Conselho de Administração do grupo, Carlos Ghosn, terá sido detido no Japão. Os títulos recuam 12,70% para os 56,31 euros, de acordo com a Bloomberg.

Carlos Ghosn foi detido esta segunda-feira, avança a agência Reuters, que cita a imprensa japonesa. Esta manhã a Nissan revelou que Ghosn ocultou rendimentos, estando sob investigação interna há vários meses. Além do presidente, também Greg Kelly, diretor de representação da marca, está a ser acusado.

"A investigação concluiu que, ao longo de muitos anos, tanto Ghosn como Kelly declararam na Bolsa de Valores de Tóquio que as compensações monetárias que recebiam eram inferiores seu ao valor real", revelou a Nissan em comunicado. O conselho de administração da fabricante automóvel japonesa vai propor o afastamento dos dois responsáveis.

Entretanto, a agência de informação japonesa Kyodo, citada pela Bloomberg, está a avançar que Carlos Ghosn é suspeito de ter declarado cerca de 5 mil milhões de ienes - cerca de 38,5 milhões de euros - a menos nos últimos cinco anos.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?